segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Mais um passo de independência: Tomando o primeiro banho sozinho



Em ti me alegrarei e saltarei de prazer; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo. 
Salmos 9:2
E  o  nosso Garotão tomou o primeiro banho sozinho! Foi no dia 13.01.13... Foi engraçado, divertido e um orgulho pra nós. Afinal, um dos trabalhos mais importantes para uma criança autista é a busca pela sua independência.

O banho para o Garotão nem sempre é algo fácil de dar. Geralmente envolve um pouco de estresse pra convencê-lo a ir para o banho e para molhar o corpo, principalmente a cabeça.

Ontem, antes de ir para a igreja, resolvemos pedir pro Garotão ir sozinho para o chuveiro... E, vamos ao longo relato.

Primeiro falamos para o Garotão: “vai tomar banho!” Ele respondeu com o clássico: “nanananão!”. Então, descrevemos passo-a-passo o banho pro Garotão.
“Garotão, vamos tomar banho!”
“Garotão, tira o calçãozinho, tira a fraldinha, vai para o banheiro, fecha o box, abre o chuveiro!”
Depois dessa instrução sequenciada, fomos falando a cada passo realizado:
“Garotão, tira o calçãozinho!” – E Garotão tirava o calçãozinho, corria duas voltas pela casa.
“Garotão, tira a fraldinha!” – E Garotão tirou a fraldinha, deu várias voltas pela casa (correndo, claro).
“Garotão, entra no banheiro!” – E Garotão entrou no banheiro e saiu correndo logo depois.
“Garotão, liga o chuveiro!” – Aí, depois de várias voltas pela casa, foi para o box, abriu o chuveiro e aí, sem qualquer briga, começou a se molhar.

Então, fui acompanhar o banho mais de perto, orientando cada parte do corpo que ele deveria molhar. E, aí, ele entrou na brincadeira, repetindo, cada partezinha do corpo molhada... Depois, coloquei o sabonete na mão dele para que ele também tomasse se esfregasse e cumprimos o mesmo ritual.

Após se enxaguar, pedi para que ele pegasse a toalha sozinho. Ele pegou, se enxugou e saiu lindo, cheiroso e limpinho do banheiro... E não foi a única vez... não é apenas uma pérola... foi um grande passo mesmo! Ele já fez isso várias vezes desde então!!!

Nosso Garotão tá crescendo...

domingo, 27 de janeiro de 2013

Série Pérolas do Garotão: Eva e...



Estávamos vendo a Bíblia do Garotão (3 anos 8 meses) no culto e ele apontando as figuras.
De repente, ele aponta o casal Adão e Eva.
Eu aponto EVA, e ele disse: Eva.
Eu apontei Adão e ele disse: Ovo!
De onde ele tirou isso?
Kkkkkkkkk!!!!!!

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Ciúmes de irmão



SENHOR, tu me sondaste, e me conheces.
Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. 
Salmos 139:1-2
Segunda-feira o Garotão (3 anos 7 meses) deu uma crise de ciúmes da irmã. Eu amei ver essa crise. Pois é, muitas vezes parece que não percebemos o quanto a neném (32 semanas) está interferindo na vida dele, e é bom vê-lo manifestando o que ele está sentindo.
Segunda, fomos deixá-lo na casa dos meus pais para sairmos apenas eu e marido (uma raridade... aproveitar um momento a dois). Quando chegamos, minha mãe veio mostrar as roupinhas que ela tinha lavado (grande ajuda da minha mãe!) e eu levei as roupinhas novas que o meu marido tinha comprado.

O Garotão chegou na casa dos meus pais, foi sentar para montar as letrinhas (minha mãe tem um pacote de letrinhas de EVA, o Garotão adora montar palavras), mas estávamos todos em torno das roupinhas da Princesa... Ah, o Garotão se sentiu sozinho, resolveu jogar as letrinhas todas longe, pediu chocolate, não queria mais... ficou super estressado, a ponto de não saber o que queria.

Ficou claro que ele estava com ciúmes... Depois de uns 10 minutos, conseguimos que ele jantasse, comesse o chocolate dele, e se acalmasse com os avós para que saíssemos.
Pode parecer estranho, mas foi bom pra mim perceber o que ele sentiu. Muitas vezes, por ele não conseguir expressar o que sente, não sabemos o que se passa na cabecinha dele, ou o que ele realmente está entendendo da chegada da Princesa. Mas, agora sabemos onde trabalhar, como trabalhar e como o Garotão vai responder!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Um muito obrigado ao amiguinho



E a nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação. 
2 Coríntios 1:7

Essa semana fomos curtir as férias no Parque da Cidade. O parque é uma área grande, perto de nossa casa que as pessoas usam pra caminhar, as crianças andam de bicicleta, tem quadras, aulas de ginástica... uma delícia!!!

Nós levamos a bicicleta pro Garotão (3 anos 7 meses) andar, mas ele curte mesmo é o parquinho. Balanço, gangorra, escorregador e um brinquedo que eu queria saber o nome... mas onde ele escala, passa por túneis, escorrega, enfim... ele ama esse brinquedo. Mas, nesse parque, ele encarou esse brinquedo pela primeira vez.

Enquanto ele tomava coragem para subir, um garoto se aproximou para tentar subir também. O Garotão estava no meio do caminho. Sentada no banquinho (agora, é o papai que acompanha o Garotão, já que a barriga de 32 semanas pesa um pouco pra andar na areia), fiquei observando qual seria a reação tanto do coleguinha como do Garotão. Será que o coleguinha iria empurrar o Garotão?Será que ele iria pedir pro Garotão sair?

Para minha surpresa, o amiguinho ofereceu o braço e ajudou o Garotão a subir. E, o encaminhou por todo o brinquedo, principalmente protegendo onde se manifestava sendo perigoso... E, fez isso por duas vezes.

Fiquei encantada, sentada lá no banquinho, toda orgulhosa desse amiguinho.
Eu nunca vi esse pequeno, não sei se o verei de novo. Mas, eu queria deixar aqui o muito obrigado. Amiguinho, obrigado por perceber que as diferenças são apenas mais uma oportunidade para estabelecer novas amizades, para ajudar. Muito obrigado por fazer o dia do meu Garotão super gostoso, ajudando a vencer o medo e as dificuldades e, principalmente, ajudando-o a curtir um brinquedo que ele gosta tanto.
Mais uma vez, muito obrigado!!!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Mais um passo de independência: saindo do banho sozinho, e andando!



Descansa no SENHOR, e espera nele; 
Salmos 37:7a

Desde que o Garotão começou a tomar banho no chuveiro, ele só saía do banho enroladinho na toalha e no colo da mamãe. Com a gravidez, esse ritual estava ficando mais complicado, já que o tanto o Garotão (3 ano 7 meses) e a Barriga (32 semanas) estavam ficando cada vez mais pesados.

Então, antes de embarcar, o papai combinou com o Garotão que ele iria sair do banheiro, enrolado na toalha, sozinho e andando direto pro quarto para colocar a roupinha.
Meu marido viajou e aí, fomos para o primeiro banho:

O Garotão tomou banho normalmente, saiu do chuveiro, enrolei-o na toalha e...
Ele saiu andando, direto pro quartinho!
Que delícia! E, não foi apenas uma pérola. Durante os 15 dias que o pai esteve fora, só saiu no colo uma vez. As outras vezes todas, ele se enxugava da cabeça aos pés, e saía enroladinho na toalha.

Ah, só um detalhe: enroladinho na toalha só até a porta do banheiro, porque logo largava e ia brincar...
O nosso Garotão tá crescendo....

sábado, 19 de janeiro de 2013

Contagem Regressiva: 32 semanas



O minha alma, espera somente em Deus, porque dEle vem a minha esperança. 
Salmos 62:5

Só faltam 10 semanas! O tempo está voando! Parece que a gravidez está passando rápido demais. E, a princesa está crescendo cada vez mais.

Finalmente, podemos dizer que compramos as roupinhas da nossa Princesa. Eu e meu esposo tiramos um dia inteiro para andar pelo bairro para comprar as roupinhas. Nosso maior objetivo era achar os preços mais baixos. E, o segundo, achar umas roupinhas mais do tipo ‘princesinha’, para ir à igreja, sair, vestidinhos.

Quando percorremos todas as lojas, fizemos uma avaliação: achamos coisinhas lindas a preços incrivelmente baixos. Macacãozinhos 100% algodão a menos de 10 reais! E, com isso, acabamos comprando roupinhas demais...

Mas, quase não achei vestidos ou bodys mangas longas. Fiquei muito frustrada com o fato de não ter achado tanto vestido assim. Mas, fiquei feliz em ver que os pagãozinhos estão mais seguros e sem cordinhas pra amarrar (na época do meu filho, eu detestei os pagãozinhos... todos amarrados! Achei complicado demais). Não comprei porque não tinha parado pra reparar, mas depois que eu percebi essa novidade, fui ver mais roupinhas dessas... Então, encontrei um lindo, com um vestidinho lindo!!! Apaixonei! Até disse ao meu marido que aquela seria a nossa saída de maternidade. Aí, quando fui ver a composição... snif, snif, snif, o body era de composição mista! (Aqui, só usamos peças 100% algodão com medo de alergias). Puxa, acabei não comprando...

Quando chegamos em casa, fomos ver exatamente o que tínhamos comprado... e claro, pedimos a ajuda do nosso Garotão (3 anos 7meses). Ele curtiu muito! Pedíamos pra nos ajudar a guardar as roupinhas e ele guardava todas! Foi a coisa mais fofa... É muito lindo ver como ele está seguindo junto, vendo tudo e feliz em ajudar. A Princesa vai chegar e vai encontrar um irmãozão ajudador!





sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Quando ofendem o seu filho



"Pois homens dizem calúnias contra mim, e falam mentiras a meu respeito. Eles podem fazer-me mal; porém, tu, ó Senhor, me abençoas." (Salmos 109: 2, 28a)

É, fiquei triste, muito triste. Fomos ao parquinho com o meu filho e chamaram o meu filho de “burro”. Foi uma outra criança, talvez de uns 8 a 10 anos. Não digo que ofendeu o meu filho, porque não tenho a menor ideia do quanto ele entendeu, ou do quanto isso o machucou, mas eu fiquei profundamente revoltada.

Mas, vamos ao relato:
Descemos para o parquinho do condomínio pra brincar no fim da tarde. O Garotão ama simplesmente correr na areia, mas não interage com as crianças que estão ali também, simplesmente corre e chama a mamãe quando precisa de ajuda ou companhia.

Nesse dia, o Garotão (3 anos 7 meses) estava correndo pela areia e o garoto se aproximou pra perguntar alguma coisa. Deixei para ver como o nosso Garotão iria reagir a essa aproximação. Fiquei olhando, observando de longe. Com a aproximação, nosso Garotão tentou se afastar, recusava qualquer forma de aproximação do garoto. Então, eu ouvi: “Seu burro! Aquela bicicleta vermelha é sua?”

Fiquei triste, revoltada. O Garotão veio pra mim, olhei para o garoto com a cara mais feia que consegui e o garoto veio me perguntar se a bicicleta era nossa. Não falei nada com esse garoto, apenas olhei e pensei um monte de coisas.

Primeiro, por mais revoltada que eu estivesse, não consegui culpar essa criança por essa reação. Fiquei pensando se por um acaso não é assim que ele é tratado em casa? Se ele não sabe a resposta, será que ele não é chamado da mesma forma? Será que ele não conhece o diferente e não sabe lidar com isso? E, será que esse garoto não sabe lidar com carinho com outras crianças menores?

E, uma outra coisa: como eu queria saber o que é que se passou no coraçãozinho do meu filho quando esse garoto o tratou assim... queria ter uma bolinha de cristal só pra saber se ele ficou chateado ou não...

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Série Pérolas do Garotão: Tchau, mamãe! Tchau, Papai!



Segunda feira, deixei o Garotão (3 anos 7 meses) na casa dos avós (meus pais) para dormir com eles uma noite. Hoje, passei lá de novo pra deixar um papel que minha mãe tinha pedido pra eu pegar. Foi uma passada rápida, só pra deixar o papel.

Garotão chegou, tirou o sapato, a meia... E, na hora de ir embora falei:
- Garotão, dá beijo vovô, beijo vovó e vamos pra casa.

Garotão respondeu:
- Tchau mamãe, Tchau papai... Beijo Garotão!!
É mole? Ele agora só quer ficar na casa do vovô e da vovó!!!

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Desfralde de uma criança autista: Como é a rotina diária



Porque contigo entrei pelo meio duma tropa, com o meu Deus saltei uma muralha. 
Salmos 18:29

Às vezes eu passo e relato como é difícil o dia-a-dia de um desfralde, mas pensei em descrever mais ou menos como é um dia dessa rotina de desfralde. Nós vamos de momentos incríveis até momentos incrivelmente estressantes...

Garotão (3 anos 7 meses) acorda, geralmente com a fralda seca. Se tenho que sair de manhã, enfrento o mau humor dele para levá-lo ao banheiro pra fazer xixi. Às vezes faz de boa, na maioria das vezes, é um chororô, uma guerra. Se não tenho que sair, deixo o Garotão à vontade e só troco a fraldinha quando estou emocionalmente pronta pra encarar.

Passo o tempo inteiro vigiando se o Garotão fez xixi em algum lugar e quando dá umas 1h30 e 2h desde o último xixi, é hora de levar o Garotão no banheiro. Quando ele vai de bom humor, ponto pra nós. Quando ele resolve encrencar... levo no vaso sanitário, nada. Levo no box, nada. Abro o chuveiro, chora... até que ele finalmente faz. Com essas invenções, o Garotão só consegue fazer xixi no box e com o chuveiro ligado e com água quente!

Após o almoço, o Garotão começa a nova fase: pede para fazer cocô. Legal? Muito!!! Mas ele pede diversas vezes (umas 5x!) e vamos nós correndo para o banheiro. Ele já aprendeu a sentar sozinho, mas para ele ter base, como ainda não temos um suporte para o pezinho dele, eu abaixo com essa barriga de 31 semanas, o seguro e uso as minhas pernas pra ele se apoiar e fazer força. Mas o Garotão não fica nem 2 minutos no vaso e sai correndo para brincar.

Além disso, a cada 1h30, levo o Garotão para tentar fazer xixi, e felizmente tem dado certo. Quando ele não faz quando levo, ah, posso esperar que em menos de 10 minutos vai aparecer uma pocinha de xixi pela casa... Quando isso acontece, peço para que ele enxugue e repito várias vezes pra ele repetir:
“Garotão fez... (ele completa) xixi.”
“Xixi faz no... (ele completa) banheiro!”

E, vamos assim até o fim do dia. Quando chega o final do dia, é banho e fraldinha no Garotão e... surpresa!! Cocô na fraldinha! E, o estresse pra trocar e limpar.
Essa tem sido a nossa rotina desde o início do ano. Sabemos que estar há 3 dias sem acidentes com xixi é uma grande vitória, mas quero muito vê-lo pedindo pra fazer e também, torcendo pra que ele consiga fazer no vaso sanitário, já que box com chuveiro quente, só em casa, né?

Agora que o pai chegou, estamos com uma grande dificuldade: temos que sair muito, há muito o que resolver na rua... então, saímos com fraldinha e o treino fica meio que para trás...
E, vamos que vamos!!!!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Mamãe: o melhor chamado do mundo



"Clamei ao Senhor por socorro, e tu me ajudaste." (Salmos 30:2)

Estamos felizes demais. Desde que o Garotão (3 anos 7 meses) aprendeu a falar mamãe, papai, vovô e vovó, estávamos ansiosos para o momento em que ele usaria essas palavras para nos chamar.
E, esse momento chegou!

Queríamos ter certeza, antes de contar, de que isso não era apenas uma pérola, queríamos ver se ele começaria a usar para nos chamar... até que começou uma manhã dessas de dezembro. Papai e mamãe acordaram, tomaram café e, ao invés do famoso “aguga!” (ajuda!), ouvimos: “Mamãe!”. Ele chamou mamãe ao acordar! Ficamos imensamente felizes!
Depois, ele foi evoluindo... para acordar, mamãe, para ir pro colo do papai, simplesmente ‘papai, colo’. E, usando essas palavras não somente para apontar, mas principalmente para chamar.

Então, esse chamado foi se expandindo: no parquinho, ao invés de gritar: “Aguga!” para balançar, ele chamava ou mamãe ou papai, dependendo da boa vontade dele...
E, a grande prova de que o “mamãe” virou realmente um chamado:

Garotão correndo pra quadra, conseguiu arranjar briga com um coleguinha (pois é, desse tamanho, já arranjou briga, e CONTEI AQUI como foi), ele simplesmente gritou: “mamãe!”

Sim, o meu Garotão finalmente aprendeu a chamar Mamãe!! Agora sei que, quando ele precisar, ele vai chamar alguém. Feliz demais!!!

sábado, 12 de janeiro de 2013

Série Pérolas do Garotão: Dando uma de Mestre Yoda



Ontem e hoje (12.01.13) não consegui entender o meu Garotão (3 anos 7 meses) por um motivo simples: ele simplesmente resolveu inverter a ordem das palavras nas frases...
Lá vem as pérolas...
“Papá vou fazer”
“Banheiro mão lavar”
Se ele falasse tudo claramente, não teríamos problema em compreender o que ele fala... só que, ainda não fala nada tão compreensivo... então, a confusão na nossa cabeça é enorme, né? Mas, vivendo, conversando e entendendo!!!
É o nosso Mestre Yoda!!!

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

A primeira briga na quadra



"O homem irado provoca discussão, mas quem é paciente acalmará a briga." 
(Provérbios 15:18)

Eu achei que esse dia ia demorar a chegar, mas o Garotão (3 anos 7 meses) já arranjou a primeira briga na quadra. Não, não foi algo grave, mas pra mim, é algo que merece ser registrado.

O Garotão tem mania (que estou tentando tirar, já que não aguento sair correndo atrás dele com essa barriga de 30 semanas) de correr do parquinho pra quadra. Chega na quadra, entra e corre durante uns 10 minutos e depois, volta pro parquinho.

O Garotão saiu correndo, e eu fui atrás (eu e minha mãe). Quando estávamos chegando perto, eu ouvi: “Mamãe!”, meu Garotão chamando e brigando. Fiquei preocupada imaginando o que é que teria acontecido. E, ao me aproximar mais vi que tinha crianças maiores jogando bola, e chegando mais perto, vi um garoto, de no máximo 6 anos reclamando que meu filho tinha batido nele!

Como assim? Meu filho de 3 anos 7 meses conseguiu bater num garoto de 6 anos? Eu me acalmei e perguntei o que aconteceu. O garoto respondeu que o meu filho abriu o portão da quadra e acertou o portão na testa dele. Então eu perguntei se ele tinha feito algo com o meu Garotão e ele disse que não fez nada.

Bom, pro meu Garotão gritar “mamãe”, e estar com a carinha enfurecida, ele fez sim, nem que seja ter segurado o portão pro Garotão não entrar. Mas, ele disse que não fez nada.
Não duvido que o meu Garotão tenha realmente batido na testa do garoto com o portão, mas eu queria saber exatamente o que aconteceu.

E, pra mim, o mais gostoso disso tudo (pois é, a primeira briga na quadra, teve seu ponto gostoso), é saber que o meu filho, em momento de problemas vai saber chamar: “mamãe!”

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Li e Gostei: “O que esperar de Deus durante a Gravidez”



Um dos meus propósitos pra esse ano pro blog é começar uma nova série. Pelo menos, uma vez por mês, postar uma sugestão de leitura. Pra isso, preciso ler pelo menos um livro diferente por mês, né?

A dica pro mês de janeiro é:
“O que esperar de Deus durante a gravidez”, de Catty Hickling, da Editora Vida.
É um livro devocional para gravidinhas. Para cada dia da gestação (de 40 semanas) tem um texto bíblico e uma reflexão. É incrível como a autora pega cada texto e aplica para o filhinho (ou filhinha, ainda não sei) que está pra nascer. Incrível como a gente se sente confortada, amparada com cada relato e cada texto bíblico.

E, eu já comentei AQUI no blog sobre um devocional que mexeu comigo (clique aqui pra ler).

Só uma coisa triste: Esse livro é de 1998... não acho mais para comprar se não em sebos... quem me emprestou o foi o pastor de nossa igreja. Um grande presente pra essa gravidez!

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Iniciando contagem regressiva: 30 semanas



Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz grandes coisas, que nós não podemos compreender. 
Jó 37:5
Agora, posso dizer que estou na reta final da gravidez. Faltam 12 semanas (Conto minha gravidez como que ela tendo 42 semanas... não quero ficar tão ansiosa como fiquei quando estava grávida do Garotão). Sei que raramente paro para fazer somente da gravidez, já que o Garotão tem novidades diariamente, né? Mas, eu tinha que parar para falar da Princesa...

Sexta-feira (04.01.13), completamos 30 semanas de gestação e a nossa Princesa não tinha nada arrumado. Se acontecesse algo que resolvesse precipitar as coisas, a Princesa ia chegar sem ter nada pronto.

Então, ontem (05.01.13), eu, minha mãe e meu pai nos juntamos para ver as roupinhas do Garotão que poderiam ser aproveitadas pela princesa. E, o saldo foi ótimo! Praticamente só temos que comprar roupinhas de princesa mesmo pra sair. O Garotão (3 anos 7 meses) tinha muita roupinha branca que dá pra ser usada novamente. As minhas compras agora posso focar em coisinhas bem fofas, cheias de lacinho! Minha mãe levou tudo para a casa dela pra poder lavar... Super legal, menos uma coisa pra eu me preocupar...
Ainda falta tudo pra arrumar no quarto: pintura, decoração, enfim, falta muita coisa mesmo! Pelo menos o kit berço está comprado, alguns bichinhos de pelúcia, mas, nada ainda com a carinha da nossa princesa...

Esperamos que tudo esteja pronto até dia 30 de janeiro, o mais rápido possível! Estamos com a agenda cheia, mas tudo vai ficar pronto!

domingo, 6 de janeiro de 2013

Desfralde de uma Criança Autista: quando bate o estresse



Olha para mim, e tem piedade de mim, porque estou solitário e aflito.
As ânsias do meu coração se têm multiplicado; tira-me dos meus apertos. 
Salmos 25:16-17

Estamos desde o dia 1º. De janeiro começando o desfralde. Contei AQUI que o Garotão sinalizou por ele mesmo o começo desse processo.
Mas, acho que fiz algo errado.

O Garotão (3 anos 7 meses) estava falando toda hora em ‘cocô’ e eu corria para levá-lo ao banheiro e nunca acertava. Peguei uma vez ele fazendo, corri para colocá-lo no vaso... e foi terrível.

Briga, pontapés, ele se endureceu todinho e simplesmente segurou... e depois, dava pra ver que começou a doer.

Desde então, está difícil me aproximar dele nesses momentos. E, o pior, até mesmo para limpá-lo. Tanto que a última vez ele criou tanta confusão para limpar, que sujou o banheiro todo... e, claro tive que limpar.

E, parece que, com a gravidez (30 semanas), as coisas ficam ainda mais difíceis e eu ainda mais sensível. Uma pequena coisa me desestabiliza e passa pra ele...

Quando li vários aertigos, com várias dicas, as coisas pareciam bem fáceis... mas, a prática é totalmente diferente. Existem situações totalmente fora do esperado, que fogem às dicas, e são com essas que temos que lidar e ainda, arranjar uma solução, né?

Mas, vamos que vamos. Ainda não desisti do desfralde. Não é um desfralde efetivo, já que ainda não saímos sem fralda. A jornada é longa, mas sabemos que logo chegaremos ao uso da cuequinha integral!

sábado, 5 de janeiro de 2013

Série Pérolas do Garotão: Escrevendo pro papai



Garotão (3 anos 7 meses) escreveu email para o papai:
AAAAAAAAAAAABBBBBBBBBBBBBBBCCCCCCCC...VVVVVVVVVVVVVVXXXXXXXXXXXXWWWWWWWWWWWWWWWYYYYYYYYYZZZZZZZZZZZZZZZZ.

Papai responde:
“PAPAI TÁ TRABALHANDO”
Garotão responde novamente (dessa vez não digita, mas sinaliza com os dedos, em libras)
- RAXIP.
Exatamente, Pixar. Entendeu? Nem eu!!!
Hehehehe!!!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Um aperto de final de ano



Quanto a mim, sou pobre e necessitado, mas o Senhor preocupa-se comigo. Tu és o meu socorro e o meu libertador; meu Deus, não te demores! 
Salmos 40:17
Eu queria chegar e escrever um lindo relato de virada de ano... mas as coisas não foram tão legais assim.

A manhã estava ótima, acordamos mais tarde. Até iríamos à praia, mas preferimos acordar mais tarde, já que já tínhamos dormido tarde no dia anterior, aliás, a semana toda.
Acordamos e depois fomos comprar os presentes do Amigo X que teria na casa do meu irmão. Saímos pela avenida principal do bairro, tranquilos para fazer as compras. Após comprarmos tudo, voltamos por um outro caminho para evitar uma crise de birra do Garotão (3 anos 7 meses) ao passar por um caminho normal para a casa do vovô (iríamos para a casa).

E, no final desse caminho, fomos abordados por um indivíduo de moto, que logo me pediu o celular. Ele pôs a mão na cintura como se estivesse armado. Eu consegui entregar o celular pra ele (estava dentro da mochila, nas minhas costas) e eu segurava o meu filho (3 anos 7 meses) com a outra mão. Assim que entreguei o celular (que eu ganhei de Natal), ele foi embora e eu fui pra primeira loja que eu encontrei à frente, uma loja de colchões.

Sentei e chorei. Deixei meu filho brincando à vontade... Ele subiu nos colchões, começou a brincar, o que me deixou bem aliviada, já que aparentemente ele não havia percebido nada. Liguei pra polícia e depois para os meus pais. Eu com medo de começar a ter contração e perder o meu bebê (29 semanas) (uma amiga minha perdeu gêmeas após um assalto, por início de trabalho de parto prematuro). Fui super bem cuidada pelos funcionários da loja, um carinho comigo e com meu filho... Enfim... Papai do Céu colocou anjinhos bem pertinho da gente...

Quando voltei pra casa, comecei a ter contrações muito frequentes, e até um corrimento marrom. Fui direto para o pronto socorro obstétrico e lá fui bem atendida. Colo fechado, neném mexendo muito, e contrações ocorrendo por causa da ansiedade. Não precisei de medicação, apenas um repouso pra diminuir as contrações e não iniciar um trabalho de parto.
Enquanto isso, o Garotão parecia bem, sem qualquer demonstração de que havia sentido alguma coisa.

Ainda fui à minha GO (Ginecologista/Obstetra) e falei das dores na virilha que comecei a sentir no dia primeiro. A médica ficou preocupada pois as dores estavam muito cedo (estou com 29 semanas) e entramos com remédio pra reduzir as contrações e as dores.
Hoje, 4 dias depois do ocorrido, quando paro pra relembrar o que aconteceu, ainda sinto aflição, taquicardia e até início de contração. Fico pensando no que poderia ter acontecido com os meus filhos. E, com isso, o medo de sair de casa de novo aumenta. Desde o dia 31, ainda não fui à rua só eu e meu filho. Estou apavorada. Penso que o que não aconteceu dessa vez, pode acontecer na próxima que for à rua...

São tantas coisas que eu penso que me dão desespero...
- Como meu filho, uma criança autista, reagiria se percebesse o assalto?
- Como o assaltante reagiria se meu filho desse crise de birra ou quisesse sair correndo?
- E se o assaltante colocasse arma no meu filho?
- Se eu perdesse o meu bebê no susto?
- E se eu não estivesse com o celular?

E, ainda penso por que não consigo descansar nos braços do Pai. Eu deveria confiar e resolver tudo o que preciso, mas esses dias, fui ao supermercado com minha irmã e minha mãe, e foi uma situação de muita tensão... fiquei desesperada quando vi uma moto e também quando vi um indivíduo com um uniforme de futebol (a mesma camisa da pessoa que me assaltou...). Tanto que minha mãe e minha irmã estranharam a minha pressa.

Além disso, tenho um grande desejo no meu coração. Queria muito que a Graça de Deus alcançasse o coração dessa pessoa... E, quero muito, voltar a ter uma vida normal, sem medo, sem taquicardias e sem contrações fora de hora... Uma coisa que fiquei muito triste foi de não ter colocado nenhuma música no meu celular ainda... mas, felizmente já tinha baixado a Bíblia!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Série Pérolas do Garotão: Fazendo comida



Nosso Garotão (3 anos 7 meses) aprontou mais uma...

Eu estava no computador, respondendo os emails do meu marido. De repente, ouvi um barulho das tampas de panela da minha cozinha e da geladeira abrindo... chego na pia...
Estão os potinhos: dois potinhos de arroz e o de inhame e ele estava tentando pegar as panelas de fígado e feijão! Eu peguei as panelas, coloquei no fogão, virei pra fazer algo, quando eu voltei, elas estavam destapadas em cima do fogão!!!!

Fiquei muito preocupada, porque as panelas estavam na boca de trás do fogão... preocupei, viu? Ainda bem que o fogão estava desligado!!!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Feliz 2013... Começando com Desfralde!



Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. 
Filipenses 4:6

Estamos oficialmente iniciando o desfralde. E, não foi uma decisão nossa. O nosso Garotão (3 anos 7meses) deu o sinal inicial. Garotão parou domingo, no meio do almoço e disse:
- Xixi!
Saí correndo e coloquei-o no vaso. Ele não fez xixi, Deixei-o em pé. Também não fez. Coloquei-o no box, e nada. Liguei o chuveiro (frio). E nada. Esquentei o chuveiro e... Xixi!!
Que festa, gente!

Desde esse dia, ele tem sinalizado quando quer fazer cocô também. Ou quando tem uns movimentos de gases, ou quando realmente faz o cocô. Ele chega e avisa. Uma grande vitória.

E, em pleno culto da Virada, nosso Garotão fala cocô e quase que viramos o ano no banheirinho... pois ele ficou um tempão no vaso. Não fez cocô... mas pediu!
Ainda precisamos de coragem pra sair com ele sem fraldinha (principalmente sozinha, ainda não estou pronta), mas estamos muito felizes por esse sinal verde!!!

E, para comemorar o Ano Novo, o Garotão fez cocô no vaso na casa do titio!!! Claro, depois de falar ‘mil’ vezes que queria fazer cocô, fazendo a mamãe abaixar outras mil para colocá-lo no vaso (com esse barrigão de 29 semanas), mas, e daí? É sempre festa!!!!