quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

2016 – Ano de Escaladas


“Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.”
Filipenses 4:6,7


Hoje, aproveitando o último dia do ano, eu e a Princesa fomos brincar no parquinho do condomínio. Nesse parquinho, tem uma pedra grande, maior que a Princesa, mas não mais alta que o Garotão. Nos dias que brincamos os três, o Garotão escalou essa pedra, mas a Princesa não. Hoje, enquanto eu olhava o celular, a Princesa gritou: “Mãe, me ajuda!”. Olhei, e ela tinha escalado aquela pedra enorme. Mas, ao chegar lá em cima, não sabia descer. Mas, ela sabia que, me chamando, eu poderia ajuda-la. Então, eu a peguei no colo. E ela subiu, uma, duas, três vezes... e em nenhuma dessas vezes conseguiu descer sozinha. Mas em todas as vezes que me chamou eu estive lá, pra descer. E, mesmo com a dificuldade pra descer, ela não desistiu de subir.
Então,  de novo estamos às vésperas de um novo Ano... 2016 bate à porta. Pra gente, 2015 foi um ano de grandes conquistas pra nós aqui. E, 2016 vem com grandes desafios.
Muitos desses desafios já se desenharam no final desse ano... e já nos causam preocupação e ansiedade. Mas, não queremos um 2016 baseados na ansiedade. Queremos um 2016 baseado na confiança em Deus e na tranquilidade. Cada desafio será um momento para experimentar o novo de Deus. Cada desafio que 2016 já desenhou agora em 2015 parece com a pedra que a Princesa tenta escalar. Enormes, difíceis de subir, e sem perspectiva de como é que eu vou descer dali.
Claro, desejamos saúde, paz, sucesso... mas o meu maior desejo, aquele que trago aqui dentro, bem guardadinho é de aprender a confiar e descansar, lembrando sempre que Deus está no controle. Mesmo quando essas pedras enormes estiverem no caminho, possamos ver um Deus que pode removê-las, mas também que nos ajude a escalar cada uma delas. E quando chegar lá em cima, e eu  não conseguir descer, sei que posso chamar pelo meu Abba Pai e Ele vai me ajudar descer, ou vai me pegar no colo, ou vai me ensinar a fazer rapel. Não importa como, mas sei que a cada pedra de 2016 que aparecer, tenho certeza que o Senhor estará sempre ao meu lado.

Que a Presença de Deus seja a maior marca de 2016. Que nós possamos estar prontos a desfrutar de tudo aquilo que Ele colocar em nossas vidas: escaladas, descidas, quedas, topos e vitórias.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Quem disse que Criança atrapalha culto?


“E disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?”
Mateus 21:16


Domingo (27.12.15) fomos assistir a Cantata de Natal ("É Natal pra Sempre") na igreja dos meus pais. Claro, as crianças ficaram comigo no templo assistindo. Assistindo do jeito deles. A Princesa resolveu empilhar os livrinhos, que caiam o tempo inteiro em cima das pessoas que estavam perto de nós. O Garotão não parava quieto. A pessoa do nosso lado deve ter levado uns dez chutes, porque toda hora que ele deitava no meu colo, ele acertava a pessoa ao nosso lado. E, sempre que ele reconhecia uma música, ele pulava e se agitava e ria empolgadíssimo.
Eu passei o tempo inteiro preocupada com a “bagunça” dos meus filhos. Algumas pessoas poderiam ter ficado muito incomodadas com a agitação da duplinha. Inclusive, algumas vezes já escutei que criança não pode ficar no culto porque quando estão fazendo bagunça, podem atrapalhar o visitante ouvir a Palavra de Deus.
Então, aconteceu o milagre. Mesmo em meio a toda bagunça, na hora do apelo, a pessoa que estava ao nosso lado, que levou dezenas de chutes, levantou a mão e se decidiu por Jesus Cristo. Eu chorei. Sinceramente. Como ela poderia ter escutado alguma coisa com duas crianças tão agitadas perto dela?
Deus não se limita a isso para falar conosco. Ele fala conosco no silêncio, assim como fala conosco quando as crianças estão bem agitadas. Deus simplesmente fala.
Aproveito pra deixar três recadinhos:
1.     Pra você, mamãe, que às vezes deixa de ir ao culto com seu pequeno seja ele típico ou autista com medo de atrapalhar o culto: se você quer ir, não deixe de participar com medo de atrapalhar o culto. Não, seu filho não vai atrapalhar o agir de Deus. Ele é criança, e pode ser canal de benção na sua vida e na vida daqueles que estiverem ao seu redor. Se alguém olhar de cara feia pra você, lembre-se de que Jesus pegou e abraçou as criancinhas quando os adultos tentaram afastá-las dEle.
2.    Pra você que se incomoda com criança sendo criança no culto: Crianças são crianças. Típicas ou autistas, cada uma tem sua peculiaridade e sua forma de adorar. Crianças cultuam cantando, dançando, rindo... Livres de toda liturgia, com o coração mais livre possível.  Uma criança é a forma mais tenra de expressão de amor. Ame. Se você se sente incomodado, ore por si mesmo e se pergunte: porque o comportamento dessa criança me incomoda? Será que a liberdade de adoração dela desperta em mim algo que preciso aprender?

3.    Ministério Infantil não é pra colocar a criança num cantinho pra não atrapalhar o culto. Não. Ministério Infantil é uma oportunidade para a criança conhecer e adorar a Deus na linguagem dela. Que tal dedicar um domingo por mês para mergulhar nesse mundo incrível de adoração pura e sincera?



quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Evidências de um Natal Real


Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
João 17:21

E, novamente é Natal.. o ano passa tão rápido que é só piscar o olho que as datas marcantes chegam cada vez mais rápido...
E, esse ano, quero falar sobre as evidências de um Natal real. Em um mundo em que celebra com festas, presentes, jantares, almoços, encontros, questiona-se se o Natal é real ou apenas uma fantasia consumista.

Por mais que se fale que Jesus é o motivo do Natal, e que se apresente as promessas bíblicas em relação a Ele para se provar que Jesus é o Filho de Deus, parece que a cada ano a gente se afasta daquilo que é realmente a Celebração do Nascimento de Jesus.
Mas, existe uma forma para que possamos provar que Jesus é o Filho de Deus. Não é apresentando as referências bíblicas ou históricas. Não é com discussões filosóficas. A forma que Jesus disse para que todos creiam que Ele foi enviado por Deus é pela nossa forma de viver.

Como discípulos, devemos ser um. Como a Igreja Primitiva que todos tudo em comum, que compartilhavam tudo o que tinham, eram todos um só coração, uma só alma.
“E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns.”
Atos 4:32

Parece utópico, mas essa é a forma que Jesus colocou para que creiam que Ele é o Filho de Deus. Se cada vez nós nos parecermos mais com Ele, estaremos trazendo um pouco mais do céu para esse mundo tão sombrio e cruel.
E que esse seja o sentimento não só do Natal, mas de todo o próximo ano que está por vir. Que Jesus nasça em nossos corações e que possamos refletir o amor dEle em nossos pensamentos e ações.

Feliz Natal!


Aproveitando, que tal dar uma passadinha e responder nossa pesquisa?  RSRSRS
Clique aqui pra responder!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

A Formatura do Garotão – Expectativa

Ponde-vos também agora aqui, e vede esta grande coisa que o Senhor vai fazer diante dos vossos olhos.
1 Samuel 12:16

Estou aqui pensando... hoje é a festa da formatura do Garotão. Tem uma semana que estou com o coração entre festa e nostalgia.
Festa, porque o Garotão está concluindo a Educação Infantil. Apesar de que alguns dizerem que é exagero uma festa de formatura porque eles não estão se formando em nada, mas,  na verdade é o fechamento de um ciclo e um marco na vida escolar. Garotão encerra o Ensino Infantil lendo e escrevendo. Alfabetizado antes de entrar no Primeiro Ano. E isso é um grande passo e deve ser comemorado.

Nostalgia, porque hoje vem à memória tudo o que passamos no CMEI. Desde a suspeita de que algo não estava bem com o Garotão, até todos os esforços e relatórios até o diagnóstico. Depois, a busca pela melhor estratégia de inclusão e a luta pelo mediador. O caminhar junto a cada professor, auxiliar, estagiária, secretária, coordenadoras de turno e a diretora... como cada um que nos acompanhou em nossa caminhada . Então, bate a saudade de cada um desses momentos.


Estou ansiosa para ver como vai ser a festinha. Uma coisa eu tenho certeza, vou chorar muito, de alegria, de ver que apesar de tudo, o Garotão está crescendo, e que o futuro dele será brilhante!