quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Primeiros Passos


 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
João 14:6
Princesa, o tempo está passando muito rápido. Lembro quando você rolou pela primeira vez... você ainda não tinha um mês... Depois, você aprendeu que rolar era um meio de chegar onde você queria... e você tinha acabado de fazer 3 meses.
Depois, aprendeu se colocar em 4 apoios e engatinhar... Não foi fácil te segurar. Cada dia mais independente, os cantos da casa se tornaram brinquedos para você.
Até que ficou em pé sozinha, apoiada em tudo: sofá, cadeira, parede... e mamãe e papai começamos a te mostrar como andar. Primeiro, segurando pelas duas mãozinhas, mas ainda sem entender os mistérios das passadas.
Depois, como num passe de mágica, começou a dar um passo, mesmo segurando pelas mãos... E aí, em pouco tempo, começou a ficar em pé, sozinha no meio do nada. Abaixar, levantar e aí... dar um passinho sozinha.
Mas, suas caminhadas ainda permaneceram ligadas às mãos do papai ou da mamãe por bastante tempo, até que, resolveu soltar e ir para o colo mais próximo. Pequenas distâncias, pequenos passos, grandes avanços. E, durante esse treino, papai e mamãe iam aumentando a distância.
E, fora dos treinos, pra brincar no parquinho, a forma de locomoção preferida passou a ser de mãos dadas... uma mãozinha apenas. Parecendo gente grande... Esse cotoquinho gostoso, andando como uma moça.
E, como todo crescimento, veio o desafio. E você, Princesa, levantou no meio da sala, olhou pra mamãe e veio em minha direção. Não um, dois passinhos, mas uns 5 passinhos... Se antes você tinha um ponto de partida e um de chegada, agora você tem em nós um ponto de chegada.
Até que o dia chegou: você levantou no meio da sala, olhou para mim, como que se pedindo aprovação e foi em direção a outro lugar, que não era eu. E, andou. Desequilibrou, caiu, levantou, andou de novo e chegou ao ponto que escolheu como destino e, dessa vez, seu destino não foi o meu colo.
E, ao chegar ao seu destino, tão próximo, tão distante, você me olhou com o seu sorriso vitorioso, tão lindo, como se fosse o maior desafio do mundo (filha, ainda é o seu primeiro desafio!) e sorriu, e gritou, e bateu palma!!
Filha, parabéns! São seus primeiros passos! Saiu de onde você quis, chegou onde você quis!
Seus passos irão se firmar e se alongar cada dia mais. Seu destino se alongará cada vez mais e, nem sempre será o meu colo (ou o do seu pai).
Em breve, você estará criando seus próprios destinos. Para alguns, você me pedirá autorização, irá compartilhar sua vitória. Para outros, talvez você terá que fazer isso sozinha, sem que nós estejamos perto para estimular, aplaudir, ou dar o nosso apoio...
Nem sempre o destino que você escolher será o melhor, mesmo assim, nós estaremos aqui, prontos para te receber, caso escolha o nosso abraço como destino. E estaremos te esperando.
Não mais seguraremos na sua mão, algumas vezes sei que você vai preferir que isso não aconteça, mas estaremos perto, principalmente orando, pedindo pelo seu caminho.
E, chegará um dia que talvez não estejamos perto para nem mais orar por você...
Mas, sabe o que me dá a maior felicidade? Você terá um apoio eterno, um companheiro para todos os seus passos, alguém que te conduzirá pelo melhor caminho, aliás, Ele será o seu Caminho, porque ele já disse que é o único Caminho.
Vai chegar o dia que você escolherá andar nesse Caminho e aí, nunca você estará sozinha ao dar os seus passos. Não precisará voltar, não precisar olhar... e, o melhor, nesse Caminho estaremos juntos pra sempre.
Hoje, são apenas os primeiros passos... Estamos comemorando, estamos felizes... Seus primeiros passos... Começando a trilhar e montar o seu caminho e o meu desejo é que você conheça e escolha o Verdadeiro e único Caminho.
Com muito amor,
Mamãe

e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
Mateus 28:20


domingo, 19 de janeiro de 2014

Construindo um Conector

Guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.

Há quase um ano atrás, quando viajamos para o Rio de Janeiro pela primeira vez com a Princesa, tivemos um certo medo: como ficar com o Garotão perto da gente e ainda segurar a Princesa? Ele é uma criança obediente, mas às vezes tem reações imprevisíveis. Imagina ele saindo correndo e eu segurando a Princesa no colo?

Então, fomos atrás de um conector para nos ajudar. Vimos umas mochilinhas que vinha com uma cordinha que ficava presa na mão de quem conduzisse a criança. Mas, achei o valor dessa mochilinha fora da nossa realidade.

Então, a viagem ia chegando, e nós não sabíamos o que fazer. Até que apareceu uma ideia. Eu tinha um cinto meio que elástico. E se nós achássemos esse elástico e colocássemos um botão?

Marido foi atrás do elástico e achou um rosa. Comprou cerca de um metro, colocamos dois botões de pressão, e pronto! Nosso conector estava pronto!

Puxa vida! Esse conector foi uma bênção. Podemos manter o Garotão perto de nós, sem problemas, ele é bem discreto, fica mão com mão. Eu só faria um pouco mais curto, para que não seja muito perceptível que o Garotão está ligado a mim por uma cordinha.

Mas, mesmo com o conector, sempre fico de mãos dadas com o Garotão. Ele precisa saber que o conector é apenas uma segurança a mais, e que a mão da mamãe (ou do papai) é o que é mais importante pra segurança dele.

Elástico para cinto (não achamos outra cor... acabou sendo rosa!)

Botões de pressão nas extremidades

Mamãe e Garotão de mãos dadas


domingo, 12 de janeiro de 2014

Receitas Saudáveis: Brigadeiro



Bom, o foco do blog não é divulgar receitas, mas essa semana fiz um teste que fez o maior sucesso no meu perfil no facebook, então, resolvi compartilhar.
A Princesa está numa fase que quer comer qualquer coisa que esteja em nossa mão (além dos gêneros alimentícios, isso inclui pedra, terra, pano, papel... heheheh) e eu não quero que ela tenha contato ainda com açúcar e leite de vaca...
Então, fui procurar uma receita legal que Garotão gostasse e que a Princesa pudesse comer à vontade. Achei esse brigadeiro sem leite (sem leite condensado ou creme de leite ou manteiga) e sem açúcar:

4 bananas bem maduras (usei três nanicas e uma prata)
½ xícara de cacau em pó
1 colher de aveia
Amassei as bananas e misturei com o cacau em pó e levei a panela ao fogo baixo, misturando sem parar até que chegasse à consistência normal de brigadeiro (soltando do fundo da panela).
Misturei a colher de aveia e, depois que esfriou um pouquinho, enrolei em formato de brigadeiro.

Bom, ficou muito gostoso, mas tem gosto daquele bombom Caribe, da Garoto. O Garotão, não curtiu muito não, mas a Princesa, detonou. Eu gostei também porque agora eu posso atacar o chocolate na geladeira sem culpa.
Agora é torcer pro Garotão curtir 100%, porque aí, acho que os chocolates engordantes vão sumir da minha geladeira... hehehehe

Um grande beijo!!!

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Autismo e Medicação: Reduzindo a dose


Bom é louvar ao SENHOR, e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo;
Para de manhã anunciar a tua benignidade, e todas as noites a tua fidelidade;
(...)
Pois tu, Senhor, me alegraste pelos teus feitos; exultarei nas obras das tuas mãos.
Quão grandes são, Senhor, as tuas obras! Mui profundos são os teus pensamentos.
O homem brutal não conhece, nem o louco entende isto.
(...)
Mas tu, Senhor, és o Altíssimo para sempre.

Salmos 92:1-8




O ano de 2014 começou com uma ótima notícia!
Hoje foi dia de consulta com a neuropediatra. Ela saiu da clínica da universidade onde fazíamos acompanhamento e agora estamos fazendo o acompanhamento particular.
Estávamos numa ansiedade muito grande, porque desde 2012 estávamos na perspectiva de redução da dosagem de risperidona. Mas com a gravidez, a neuro achou que seria muita mudança para o Garotão (4 anos 7 meses): chegada da irmã e ainda a retirada da medicação. Então ficamos esperando o grande momento em que isso aconteceria.

Então hoje, acordamos cedo e fomos para o consultório. A consulta foi uma delícia. A dra. Luziene estava encantada com o Garotão, ele falava, brincava, era espontâneo, ela lia os relatórios e se empolgava... E dizia que o avanço dele era o maior presente dela.
Depois de todos os relatos, então, perguntamos:
“E aí, podemos reduzir a medicação?”
E ela respondeu: “Podemos sim!”
Estamos comemorando esse grande passo do Garotão!! Antes era 0,75 mg por dia (0,25mg pela manhã, 0,75 à noite) e agora, estaremos fazendo 0,25 mg pela manhã e 0,25 mg à noite...
E, ficaremos assim por um mês, observando o comportamento e o sono... depois...
Bom, depois é depois,né?
Em abril, teremos retorno para avaliação.

Ou seja: sempre há esperança!!!