sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Jóias de ouro... em focinho de porco

“Como jóia de ouro no focinho de uma porca, assim é a mulher formosa que não tem discrição.”
(Provérbios 11.22)

Que provérbio forte, não?
Mas tem refletido exatamente o que tenho visto onde eu moro.

São lindas meninas: novinhas, corpo recém-formado pela chegada à adolescência, cabelos compridos ao vento, a beleza da adolescência irradiando no sorriso, mas...

Essa beleza está escondida por poucas roupas. Escondida? É. A beleza pura de uma garota no início da adolescência está mascarada pela exibição vulgar de seu corpo, seguindo dicas para atrair a maior atenção de garotos possível para simplesmente, não para ganhar um companheiro, alguém para amar, mas alguém para curtir, usar e ser usada.

Além disso, não bastando o vestuário (ou a falta dele), não se exibem somente como toda adolescente com seus gritos e risinhos característicos, exibem seus corpos em movimentos sensuais, acompanhando músicas cujas palavras exaltam a sensualidade.

São garotas lindas... mas assim, estão desprezando sua beleza, fazendo pouco da jóia que são. E, o pior de tudo: são nossas filhas. Porque que nossas filhas se comportem assim? Onde estamos falhando na educação delas? Ou isso não tem nada ver?

Recebemos lindas princesas em nossas mãos, para serem cuidadas, amparadas, porém, temos devolvido ao mundo garotas com 11 anos, agindo como mulheres, querendo ser mulheres e despertando desejos como se fossem mulheres.

Que o Senhor nos dê sabedoria para criarmos a nossas princesas.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Filhos x Drogas

Hoje eu estava assistindo no jornal local a luta de uma mãe com um filho viciado em drogas: violência, roubo, decepção. E eu, enquanto estava assistindo, brincava com o meu filho na sala, o abraçava e o beijava.
Fiquei imaginando essa mãe relembrando o seu filho pequeno, nos braços, abraçando e beijando.
E, então me veio a pergunta: o que podemos fazer para evitar que esses bebês tão gostosos, lindos, que apertamos, abraçamos e beijamos, sigam esse caminho tão tortuoso?
Na reportagem, o foco foi o que fazer depois que a pessoa se envolve com drogas. Mas a minha pergunta agora é: o que eu posso fazer agora, para que o meu filho não siga esse caminho tão triste e horrível?
O que se vê são projetos escolares, incentivo ao diálogo e mesmo assim, o futuro parece obscuro e o medo de perder o filho para as drogas, cada vez maior.
O melhor conselho que eu tenho é o de Provérbios 22.6 “Ensina o menino no caminho que deve andar e até quando envelhecer, não se desviará dele”.
Como ensinar esse caminho então?
Que tal começarmos ensinando o Salmo 1?

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.
Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.
Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.
Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.
Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.

Que o Senhor nos ajude a criar os nossos filhos.