quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Uma noite de choro



O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. 
Salmos 30:5
Bom, ontem tive um dia terrível! Estive muito cansada e sempre que eu pensava em algo que tinha que fazer até o meu marido voltar de viagem, meu coração se desesperava... Parece que nunca acumulei tanta coisa pra fazer!

Além da sobrecarga, desde sexta-feira que não durmo direito porque o meu filho tem tossido a noite inteira. Levei-o ao médico e a otorrino não achou nada, mas como estamos com um surto de coqueluche no estado (parece que até pessoas vacinadas estão pegando), pediu pra vigiar febre e prostração. Então, é sono e tarefas acumuladas me deixaram muito nervosa.

E, para facilitar, o Garotão (3 anos 6 meses), também estava absorvendo todas essas emoções e estava extremamente sensível e agressivo. E, ontem, a ‘coisa’ estourou.
Na ida pra escola, ele fez muita pirraça no caminho: primeiro, começou a jogar a mochila no chão a cada metro andado. Depois, resolveu se jogar no chão e simplesmente empacar. Foram momentos tensos, mas o mais incrível é que depois da ‘confusão’, ele voltou a andar alegre e olhando as placas, como ele gosta de fazer. Mas eu ainda estava irritada. Quando deixei-o na escola, aquele olhar gostoso dele quebrou o meu coração... fiquei arrasada... voltei chorando para casa. Chorei a tarde inteira... Chorei muito. Senti que desfalecia e lembrei de um hino. Simplesmente então, me derramei perante o Senhor.

Com a minha voz clamo ao Senhor
Com a minha voz clamo ao Senhor,
Com a minha voz ao Senhor suplico.
Diante dele a prostrar-me eu estou,
Diante dele exponho a minha aflição.
Quando aqui dentro de mim
Esmorece o meu espírito,
Tu então conheces minha vereda.
Olho à mão direita e vejo;
Não há quem me conheça,
Não há lugar onde me refugiar.
Ó Senhor, a ti clamei,
Pois tu és o meu refúgio
E o meu tesouro entre os viventes.
Vem, atende o meu clamor,
Estou muito abatido.
Livrar-me vem do forte tentador.
Tira-me desta prisão
E assim louvarei teu nome,
E então os justo me cercarão.
Meu Senhor, eu clamo a ti:
Oh, vem livrar minha alma
E cantarei que me fizeste bem!
Quando fui buscar o Garotão de tarde, eu já estava bem melhor. E ele também. Ele veio pra casa andando, sem crises, foi para a quadra, para o parquinho e até se arriscou a escorregar no escorregador grandão. Foi muito gostoso. Subimos e ele estava ótimo. Senti que o meu coração recebia o alívio do Senhor. Na hora de dormir, porém, um susto: o rostinho dele ficou todo empolado, todo vermelho e cheio de bolinhas. Suspeito que o bichinho de pelúcia dele esteja dando alergia. Tirei o Tutuba (o tubarão de pelúcia) da mão dele e lavei o rostinho dele. Fomos dormir somente quando melhorou o aspecto da ‘empolação’.

Hoje me sinto mais renovada, alegre. Ainda não fiz nada do que tinha que fazer, mas vou mandar ver. O dia hoje vai ser pesado. Tenho que buscar a receita do Risperdal com a neuro, em outra cidade (2h de ônibus), e ainda terminar todas as tarefas da semana. Mas, tudo bem, hoje me sinto renovada!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Série Pérolas do Garotão: O nome da irmãzinha, agora com sobrenome



Hora de dormir, mamãe, barriga (24 semanas) e Garotão (3 anos 6 meses) na cama, cantando pra irmãzinha dormir na barriga. Quase a mesma cena da pérola anterior (clique aqui), mas,  Papai no telefone dessa vez.
Mamãe pergunta:
- Garotão, qual o nome da irmãzinha?
Garotão, sem titubear:
- Neném do Carlos Eduardo
Não basta ter nome, tem que ter sobrenome também!!!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

A Evolução das Birras



Uma das grandes dificuldades do nosso Garotão (3 anos 6 meses) é lidar com sua própria frustração. Quando começamos a perceber que algo não ia bem com ele, a forma como ele expressava sua frustração era o que mais chamava atenção. Geralmente ele dava cabeçadas no chão, ou em qualquer lugar que estivesse perto.

Lembro muito bem como tivemos que aprender a contê-lo. Foi muito triste para nós sabermos que precisávamos segurar de uma forma tão dura... Mas, queríamos que, em meio às crises de birra (ele batia cabeça batia o qualquer parte do corpo em qualquer lugar) ele se sentisse amado. Então pegávamos, o abraçávamos por trás, segurávamos as suas mãozinhas cruzadas sobre o corpo e segurávamos a sua cabeça com nossa própria cabeça, enquanto dizíamos: “Mamãe (ou papai) te ama!”

E, estamos em plena evolução. Já passou da cabeçada no chão para o tapa. Quando ele começou com os tapas direcionados para nós, ficamos felizes. Parece contraditório, né? Mas, para nós era uma vitória, já que ele diminuía a quantidade de vezes que se auto-agredia.

E, agora, a grande novidade. Com os tapas, temos ensinado ao Garotão que quando ele estiver frustrado, com raiva, ele pode gritar, pode chorar... e então... quando ele se frustra, a gente escuta: “aiaiaiaiai!”. A gente tem vontade de rir, porque ele fala de uma forma muito fofa, e ficamos muito felizes porque esse “aiaiaiaiai” tem substituído muitos tapas...

Ele ainda se bate. Sim, se bate, mas com menos força, e em menor quantidade de vezes. Ele ainda nos bate. Ainda bate, e, às vezes ataca diretamente a barriga (isso machuca tanto o coração!), mas conseguimos dizer: “grita, filho, grita!”, e não bate mais indefinidamente, até passar a raiva. E, agora, o Garotão diz “aiaiaiai”...
É gostoso ver como ele cresce, não é?

Eu te louvarei, de todo o meu coração; na presença dos deuses a ti cantarei louvores.
Inclinar-me-ei para o teu santo templo, e louvarei o teu nome pela tua benignidade, e pela tua verdade; pois engrandeceste a tua palavra acima de todo o teu nome.
No dia em que eu clamei, me escutaste; e alentaste com força a minha alma.
Todos os reis da terra te louvarão, ó SENHOR, quando ouvirem as palavras da tua boca;
E cantarão os caminhos do SENHOR; pois grande é a glória do SENHOR.
Ainda que o SENHOR é excelso, atenta todavia para o humilde; mas ao soberbo conhece-o de longe.
Andando eu no meio da angústia, tu me reviverás; estenderás a tua mão contra a ira dos meus inimigos, e a tua destra me salvará.
O SENHOR aperfeiçoará o que me toca; a tua benignidade, ó SENHOR, dura para sempre; não desampares as obras das tuas mãos. 
Salmos 138:1-8

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Top Five – Recanto das Mamães Blogueiras




Estou super feliz, o blog foi citado no Top Five de Novembro do Recanto das Mamães Blogueiras.
Eu estava aqui, num domingo gostoso, passeando pelos blogs que sigo, quando vi que tinha saído o Top Five. Amo conhecer os blogs recomendados pelo Recanto. Foi quando vi o post sobre a Estreia do Garotão no Coral Infantil (Clique Aqui)... Meu coração falhou uma batida e comecei a chorar... fiquei emocionada mesmo!!!
Muito obrigada à equipe do Recanto pela lembrança e pelo presente!!!!

domingo, 25 de novembro de 2012

Série Pérolas do Garotão: O nome da irmãzinha



Hora de dormir, mamãe, barriga (24 semanas) e Garotão (3 anos 6 meses) na cama, cantando pra irmãzinha dormir na barriga.
Mamãe pergunta:
- Garotão, qual o nome da irmãzinha?
Garotão, sem titubear:
- Neném!
Esperto esse Garotão!!!!

sábado, 24 de novembro de 2012

O chutão da Princesa



Segunda feira (19.11.12), nossa princesa (23 semanas 3 dias)deu um chutão na minha barriga! Eu já sinto as mexidas dela desde antes das 12 semanas, mas ontem, que chute!
Eu primeiro senti em casa, sozinha com ela. Depois, falei com o papai do chutão, ele colocou a mão na barriga e ela deu de novo um chutão daqueles. Papai ficou bem assustado com a força do chute!!!

Quando contei pra médica, ela disse que normalmente as meninas são mais fortes que os meninos na barriga, e quando nascem antes da hora, tem até mais chance de sobrevivência que os meninos... Dessa eu não sabia...

Eita menina forte, né? Acho que é aprendizado com o irmãozinho... Estar grávida é tudo de bom!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

A questão do parto



Mas tu és o que me tiraste do ventre; fizeste-me confiar, estando aos seios de minha mãe. 
Salmos 22:9

Hoje eu tive consulta mensal com a obstetra. Fui perguntar pra ela qual seria o limite que a nossa Mensageira (23 semanas 5 dias) estaria chegando, porque na gravidez do nosso Garotão, há 3 anos e meio atrás, eu fiquei na expectativa que o nosso Garotão chegaria antes da DPP. E, quanto mais o tempo passava, mais nervosa, triste eu ficava. E ainda mais, que eu esperava um parto normal, e mesmo tendo ficado naquela expectativa, acabei fazendo uma cesariana.

Então, a GO (ginecologista/obstetra) disse que levaria até 41 semanas, mas que poderia prorrogar se os exames estivessem tudo certinho. Achei que o papo estivesse encerrado, quando ela perguntou: “O que te disseram que te deixou tão triste?”

Aí, desabafei. Disse que sentia muito frustrada por não ter conseguido que o Garotão nascesse de parto normal. Que estava com grande medo de não conseguir de novo, de ficar na expectativa, enfim, desabafei. Então, a médica falou um bocado de coisas, de novo o papo de que tem coisas que nós não podemos definir, que tem coisa que só Deus pode definir.

Achei que esse papo fosse resolver a minha vida, ou fosse ficar mais tranquila em relação ao parto... mas, muito pelo contrário. Praticamente entrei em depressão. Chorei no carro, cheguei em casa bem deprimida. Tanto que meu marido disse que se alguém nos visse chegando, sabendo que fomos ao médico ver o neném, iria dizer que tínhamos péssimas notícias.

Subi pro nosso apartamento, fui direto pro quarto, deitei e chorei. Como é que a via de parto podia interferir tanto na minha vida, interferir tanto nas minhas emoções? Tudo que eu vejo sobre PN mexe demais comigo. Eu choro, eu me deprimo. Eu achei que já estava tratada dessa ‘cesárea’.

Então, meu esposo deitou comigo, começou a me ouvir. Então, peguei um livro (vou falar depois sobre ele) que o pastor me emprestou “O que esperar de Deus na Gravidez” e abri no devocional que tinha o versículo que abro esse post.

Mostrei pro meu esposo o que vem me atormentando desde que descobri que estava grávida. Quem trouxe o meu filho ao mundo não foi o médico, foi Deus. Quem vai trazer a minha princesa ao mundo não será o médico, não sou eu. Será novamente Deus. A minha médica disse que o que eu quero é dar uma de Deus. O que eu posso definir sobre o meu parto é se vou enfrentar a dor, que vou lutar assim que entrar em TP, e não vou desistir. Não posso definir a saúde do bebê,não posso definir se entro ou não em TP, não posso definir a posição do bebê... Tem coisas que não dependem de mim. Dependem de Deus.
E, porque não entrego isso para Deus? Porque não consigo confiar que Ele vai fazer o melhor? Preciso aprender a confiar, tanto a minha alma, como a via de parto da minha princesa.

Para encerrar, vou escrever o que a Cathy Hickling escreveu sobre esse texto:
Quando medito sobre este versículo, posso visualizar o Senhor gentilmente trazendo meu bebê a este mundo. Suas mãos oferecem uma bênção e uma unção ao nascimento desta criança. Seu Espírito descansa sobre o bebê desde seu primeiro fôlego de vida, atraindo a segui-lo.
Este versículo também me assegura que o bebê não vai nascer nem cedo nem tarde. Se o próprio Deus o trará para fora do útero, a hora será perfeita.”
Oração: “Pai, obrigada por tua Palavra e pelos exemplos que ela contém, nos quais posso me agarrar e meditar. Confio que o Senhor estará com esta criança na hora do nascimento, retirando-a de meu útero na hora certa. Oro para que ela venha a confiar em ti desde seu primeiro fôlego de vida.”

Preciso de uma fé assim..

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Série Pérolas do Garotão: Papá



Mamãe no computador, preparando o material do Ministério Infantil. Garotão (3 anos 5 meses) senta do meu lado no sofá:
- Sentá sofá (sentar no sofá).
E, Garotão senta no sofá. Ele vira pra mamãe e fala:
- Papá.
Mamãe responde:
- Espera só um pouquinho, deixa mamãe terminar.
Garotão levanta do sofá e vai pra cozinha. Mamãe escuta a geladeira ser aberta e corre pra ver o que o Garotão está aprontando. Ao chegar na cozinha, olha em cima da pia: dois potinhos de arroz. Corre pra geladeira e chega a tempo de evitar o desastre: ele estava tentando pegar o caldeirão de ferro de feijão!
Viu, mamãe? Se você não me dá o papá, eu faço sozinho!

Mais um passo de independência: Comendo de colher



E o jovem Samuel ia crescendo, e fazia-se agradável, assim para com o SENHOR, como também para com os homens. 
1 Samuel 2:26

Nosso Garotão (3 anos 5 meses) está cada vez mais disposto a comer de colher. Sim, já havíamos iniciado algumas tentativas, mas agora, temos uma sequencia maior de tentativas. Desde domingo (11.11.12), pelo menos uma colherada por refeição é por conta dele,mas dia a dia ele aumenta o número de colheradas.

Para que ele possa comer de colher, temos que deixar a colher pronta e colocar a mão dele na colher, porque se deixar por ele, ele pega a comida com a mão. Então, fazemos assim: preparamos a colher, colocamos a mãozinha dele na colher, e ele põe a colher na boca.
Depois que ele come um pouco, pegamos a mãozinha dele, e seguimos para que ele possa pegar a comida, segurando a colher. Assim, ele já arrisca pegar comida no prato sozinho.

Com essa ‘brincadeira’, estamos percebendo que o Garotão ainda não definiu o seu lado preferido. Ele consegue colocar a comida na boca, direitinho, com as duas mãos. Estávamos achando que com esse exercício, estaríamos percebendo a sua preferência. Será que ele vai ser ambidestro?

Pena que ele ainda fica com muita raiva quando a comida cai. Ele joga a comida e a colher longe! Ele não aceita que a comida possa cair no chão, então, se cai um grãozinho, é uma tragédia: voa coisa no chão, a colher voa, o choro vem... trabalhar frustração é muito difícil...

Mas, ele tá crescendo, tá ficando independente.
Eu já estou imaginando quando a Princesa der as caras... ela no bebê conforto e Garotão comendo sozinho... E depois, Princesa mamando... Garotão comendo sozinho... Sonhando sempre!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Série Pérolas do Garotão: Declaração de Amor



Momento mamãe-garotão no sofá. Garotão (3 anos 5 meses) me abraça, deita no meu colo e diz: “Mamãe ama você!”. De fazer chorar! Repetiu uma, duas, três, um monte de vezes...

Sim, tenho certeza que ele queria dizer: “Amo você, mamãe!”, mas ele não consegue elaborar frases, somente repeti-las. Por isso, vou guardar essa pérola de uma forma em gostosa!

Coro Infantil – A Estreia do Garotão


Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente. (Selá.) 
Salmos 84:4

E ontem, foi a estreia do Garotão (3 anos 5 meses) no coro infantil! Estava marcado para chegarmos na igreja às 18h30, mas como uma colega minha passou mal, meu marido foi levá-la ao pronto socorro, então acabamos chegando por volta das 18h50.

Achei que fôssemos chegar e passar a música lá na frente, pra termos uma ideia de como as crianças ficariam... mas como estava chovendo, a maioria das crianças só chegou mesmo às 19h. Então, sem mais ensaio, ficamos na expectativa da apresentação.

O culto começou e Garotão começou a correr lá na frente... Estereotipias, corridas... não queria sentar. Acredito que era a forma dele expressar o nervoso dele... Claro, ainda tinha as birras, porque ele não queria sentar de jeito nenhum.

O culto começou, e o Garotão correndo lá na frente. Parecia que os avisos e o momento de oração não passavam. Para deixar o Garotão quietinho no momento de oração, oramos por todas as pessoas que passava  por nossa cabeça. Assim que acabou o momento de oração, teve leitura bíblica e... chegou o momento da apresentação do coro infantil.

Quando as crianças foram chamadas, a nossa ministra de Adoração pegou o Garotão pela mão e o levou lá pra frente. Eu queria mesmo que ele fosse sozinho junto com o grupo. Quando ele chegou na plataforma e viu que eu não estava junto, ele desceu e me pegou pela mão. Acabei subindo com ele.

Ele começou a pedir colo lá em cima. Então, falei com ele que iria ficar ao lado dele (não era essa a minha intenção, eu queria ficar lá embaixo assistindo...) e assim, ele ficou em pé, ao lado dos coleguinhas que estavam cantando.

Ficamos lá em cima, de mãos dadas, junto com as outras crianças até que começaram a cantar. Garotão ficou quietinho, e depois começou a balançar e depois cantou uma palavra “Cantar”. Depois, virou pra bateria e ficou assistindo o baterista... e, ficou na frente, cantando com as crianças!

Uma delícia!
Como foi a estreia? Perfeita! Afinal, ele só tem 3 anos e 5 meses... e, pra mim, o fato dele ter autismo não teve a menor interferência em sua apresentação!
Esse Garotão não é lindo e empolgante???


Fruto da Criação
É tão bom sair correndo respirando o puro ar,
saltitando no gramado ou no parque a pular,
na verdade tudo é lindo entre o céu e o mar,
se Jesus fez esse mundo por muito me amar.
Fico olhando uma plantinha e começo a pensar,
como pode a sementinha germinar e brotar?
não duvide um segundo da existência de Deus,
olhe bem a natureza ela quer lhe provar.
Refrão
Sou tão feliz por isso vivo a cantar,
pois também eu sou um fruto da criação,
ao me criar, Deus me fez com suas mãos
e colocou amor no meu coração
amor no meu coração.
Quando vejo um passarinho tão pequeno a voar
Eu me lembro da promessa em Cristo não vai falhar,
Se das aves ele cuida, também há de cuidar,
Os seus filhos com carinho ele vai amparar.



domingo, 18 de novembro de 2012

O Natal está chegando!


Montando a Árvore de Natal
Começamos a montar a Árvore de Natal. Que momento gostoso! Desde que Garotão nasceu, sonhamos com esse momento super-família. Mas, apesar desse ser o 4º. Natal que passamos juntos, é a primeira vez que o Garotão participa intensamente desse grande momento. Não sabíamos quando isso ia acontecer, já que depois do diagnóstico de autismo imaginávamos que nada mais seria como em uma família normal...

A árvore ainda não está pronta, porque pegamos a árvore da minha mãe (a nossa quebrou... snif) e ela é bem maior... precisa de muito mais enfeites... Mas, colocamos todos os enfeites que já tínhamos.

Quando a árvore começou a ser montada, nosso Garotão (3 anos 5 meses) já gritou “Natal!”. Que festa em meu coração!! E, depois, ver o Garotão pegando as bolinhas, me entregando ou tentando colocar no lugar que mais lhe agradasse... Falei com marido: momento família perfeito!! Depois, apontava os enfeites: dizia cores, se era bolinha, se era ‘bozinho’ (tamborzinho), e que tudo era Natal.

É gostoso demais curtir esses momentos, essa vibração, principalmente por ter esperado por tanto tempo!!!! E, enquanto montávamos a árvore, nosso Garotão cantava a música da cantata de Natal (que não é a música que ele vai cantar amanhã)
“Lindo Natal, ansiosos esperamos
E a emoção, nos vem contagiar.
Eu quero ver, o mundo em harmonia,
Que haja alegria e reine a paz!”

sábado, 17 de novembro de 2012

A primeira apresentação no Coro Infantil – Véspera da Estreia



Cantai ao SENHOR, porque fez coisas grandiosas; saiba-se isto em toda a terra. 
Isaías 12:5
Amanhã! Já é amanhã!
Amanhã será a primeira vez que o nosso Garotão (3 anos 5 meses) poderá cantar na apresentação do coro infantil. Estou muito, muito ansiosa!

Poderá? É, poderá, pois eu tenho quase a certeza absoluta que ele não irá lá pra frente. Ele sabe a música toda, mas não consegue ficar em pé junto com as crianças. Hoje, no último ensaio, ele só ficava lá na frente se eu ficasse junto com ele, mas ele pedia colo. Quando fomos pro templo ensaiar, num deu jeito... começou a chorar. Sei também que esse comportamento é comum até mesmo em crianças neurotípicas, afinal, ele é bem novo para isso.

Mas, não estou preocupada se ele vai lá pra frente ou não. Para mim, o mais importante é o que ele vai aprendendo, tanto como músicas novas, noções de musicalização, convivência com outras crianças, além de ir se acostumando com a rotina de um coral, né?

Mesmo assim, a ansiedade é grande... como será que as coisas irão rolar amanhã?
Ah, só para constar: a apresentação será amanhã, às 19h. Tá chegando!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

E o Garotão vai ganhar uma...



Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão.
Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. 
Salmos 127:3-4
‘Manzinha’!!
Foi assim que o Garotão  (3 anos 5 meses) começou a se referir ontem ao neném, quando descobrimos que vem uma princesinha (22 semanas 6 dias) para os nossos braços.
Fizemos a ultrasonografia morfológica do 2º. Trimestre dia 14.11. Eu não estava tão ansiosa, já que não sabia o sexo... queria mais ver como estava esse neném fofo.

Foi uma ultra muito gostosa de se fazer. O médico, super atencioso, a primeira coisa que fez foi nos mostrar o sexo. Mostrou claramente que é uma menininha e ainda colocou no laudo. Ficamos muito felizes, emocionados. E, muito emocionados em ver e ouvir o médico descrevendo cada partezinha do corpinho da nossa princesinha... Ele até contou todos os dedinhos, tanto do pé quanto da mãozinha...

Vimos todas os órgãos, tudo tão perfeito... uma linda princesa... É incrível ver como o Senhor nos faz de maneira tão admirável, tão encantadora... um serzinho tão pequeno, tão forte, já responde voz do papai e a voz do irmão... é extremamente emocionante.

Estou curtindo muito esse mundo verde e amarelo (por que verde e amarelo? Porque é uma Mensageira do Rei!)... será uma grande novidade, uma grande bênção e mais uma prova de que Deus está conosco!

Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra.
Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia. 
Salmos 139:14-16

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Série: Pérolas do Garotão – Contar até 100 (ou mais de 100?)



O Garotão (3 anos 5 meses) adora um pula-pula... Então, enquanto ele pula, nós contamos os pulos... Ele conta tranquilamente até 99...
Então, introduzimos o 100. Sabe como contar depois do 100?
Centa um, centa dois, centa três...
Ou seja, quatro, vira quarenta, cinco vira cinquenta... cem, vira centa!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

O irmão e o neném



Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro. 
1 João 4:19
Uma das grandes ansiedades que eu tenho dessa gravidez é o momento em que o Garotão (3 anos 5 meses) sentiria o neném na barriga pela primeira vez.

Ainda não temos noção do quando o Garotão compreende a existência do neném que está na barriga. Só sabemos que ele sabe que a barriga é o neném e que dá beijinho no neném. Sempre que perguntamos onde está o neném, ele aponta para a minha barriga (exceto ontem – 07.11.12 – que quando pedimos para dar beijo no neném, ele beijou a barriga do papai. Será que o papai está tão barrigudo assim?). Então, eu fiquei na expectativa das mexidas fortes do neném atraíssem o Garotão.

Eu senti o neném mexer pela primeira vez antes das 12 semanas (só que morria de medo de dizer, por causa da antecedência. Menos de 12 semanas um neném mexendo? Meio doideira, né?). O papai sentiu o neném mexer pela primeira vez antes de embarcar (17.10.12 – 19semanas 3dias). No dia 23.10.12 (20 semanas e 3 dias) foi possível ver o neném mexendo de fora. Aí, a ansiedade pelo momento que o garotão sentiria/veria foi aumentando. E, passei a viagem do meu marido o tempo inteiro tentando fazendo o Garotão ver o neném... mas nada do Garotão manifestar interesse ou paciência para esperar ver as mexidinhas (ou pulos) do neném..

Até que, durante as nossas férias, o Garotão começou com uma brincadeira de balançar a minha barriga... e nisso, o neném passou a responder! E, ficaram uns cinco minutos: Garotão sacudindo a barriga, Neném chutando a barriga, Garotão encostando o ouvidinho na barriga pra ouvir (ou sentir?) o neném mexendo... a coisa mais gostosa do mundo!

Ainda não sei exatamente o que se passa pela cabeça do Garotão nesses momentos, o que sei é que esses momentos gostosos tem se repetido e nós temos curtido bastante. 

Série: Pérolas do Garotão - As colheres da cozinha



Estou iniciando uma série de postagens com as pérolas do Garotão. Ele tem falado e feito tantas coisas engraçadas que serão posts pequenos, sempre com o título Série – Pérolas do Garotão, só com pequenos relatos de situações engraçadas...
A de hoje, por exemplo: Ontem nosso Garotão (3 anos e 5 meses) começou com uma brincadeira: pegar as colheres da gaveta da cozinha que ele pode mexer e colocá-las na gaveta de cima (que ele não pode mexer, tem facas e tampas de vidro). Tudo bem a brincadeira até que hoje fiquei espionando.. Ele pega as colheres, coloca na boca e guarda!!!
Socorro!! Vou ter que lavar todas as colheres da gaveta de cima!!!
Como me divirto com esse garotão!!!

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O Papai Chegou!!!



Finalmente meu marido voltou pra casa, depois de duas semanas fora, a trabalho (nem me fale que ele terá que viajar de novo daqui a duas semanas...). E, o mais impressionante dessa volta pra casa, foi como as crianças se envolveram com essa volta.

Uma das coisas que esperávamos muito que o nosso Garotão (3 anos 5 meses) fizesse, era receber o pai com alegria, demonstrando que estivesse sentindo a falta dele. Ele nunca havia demonstrado a euforia esperada de uma criança que estivesse com saudades. Claro, que quando acontecia de anunciar que o papai voltaria e acontecia algum atraso, a agressividade do Garotão aumentava muito até que o pai estivesse de volta. Mas, sempre que o pai voltava era como se a figura do pai que havia sumido, naturalmente voltava, como se não houvesse acontecido nada. Então, guardávamos no coração a expectativa de que um dia, quando o pai voltasse, o Garotão sairia correndo para abraçá-lo.

E, esse dia chegou. Quinta feira (01.11.12), nosso Garotão passou o dia inteiro serelepe, ansioso, como se entendesse que finalmente o papai voltaria para casa. Meu irmão foi lá em casa para nos ver, e quando a campanhia tocou, o Garotão gritou: “Papai!”. Tadinho... tive que decepcioná-lo e contar que era o titio (mas o Garotão não ficou tão decepcionado assim, curtiu o titio abessa! Fez muita festa!). E o dia foi de muitas visitas: vovó, vovô, titia, titio de novo... e todas as vezes que a campanhia tocava, ele gritava: “Papai!”.

Foi ficando tarde, e o sono estava pesando sobre o Garotão. E, assim, a hiperatividade e agressividade dele ficavam cada vez mais intensas... e nós esperando o papai chegar...
Foi então que a campanhia tocou e finalmente... era o papai! O Garotão saltou pro colo do papai, grudou no papai, falou papai o tempo inteiro! Era papai pra lá, papai pra cá! Uma felicidade incrível de ver naqueles olhinhos! E, nós, papais, emocionados, pela primeira manifestação de alegria pela chegada do papai...

Depois dessa festa, fomos colocar o Garotão para dormir. Quem disse que ele queria? Só aceitou deitar quando o papai deitou com ele na caminha... e, mesmo assim, demorou a dormir... Mas, dormiu, com um gostoso sorriso nos lábios.

Ah, claro... não somente o Garotão mostrou a sua felicidade com a chegada do pai. Depois que o Garotão dormiu, papai e mamãe foram tentar dormir também... mas o neném da barriga (21 semanas) resolveu que também tinha que festejar a chegada do papai. Pulou muito! Pulou, pulou, pulou, pulou... e o papai todo empolgado vendo o neném pular na barriga. Desde que o papai chegou, os pulos e saltos do neném tem sido cada vez mais fortes... Tudo para festejar a chegada do papai.

Como essa duplinha ama o papai, né?

*Observação: Essa não foi a primeira vez que o Garotão manifestou alegria em ver alguém quando estava com saudades. Quando voltamos de Salvador, fomos direto para casa do vovô. Quando o Garotão viu o vovô, ele saiu do carro, gritando na maior euforia: “Vovô!”*