quarta-feira, 18 de abril de 2012

Birras, Eita Birras!!!



Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. 
Provérbios 27:5


Eita que hoje foi um dia puxado! Aliás, desde que o pai do meu filho viajou de volta para o trabalho, as birras voltaram com força dentro de casa. Estávamos pensando que finalmente o remédio tinha diminuído as birras auto-destrutivas, mas acabamos de perceber que a presença/ausência do pai tem bastante relação com essas crises...
Bom, hoje fui com o meu filho no parquinho do condomínio. Como hoje descemos mais tarde, tinha poucas crianças no parquinho. Então meu filho tinha todo o parque pra ele. Primeiro ele balançou e depois foi para o  escorregador. Depois, ele resolveu ir para a quadra, que, devido ao horário estava fechada. Aí, começou a confusão: ele se jogou no chão e começou a primeira crise. Peguei-o no chão, e levei-o novamente no parque.


Quando voltamos lá, ele voltou pro balanço e depois foi pro escorregador. Então, chegou uma menininha e foi direto para o balanço. Aí, a confusão começou. Ele foi direto na menina e tirou o balanço dela. Se o meu filho estivesse indo para o balanço ou coisa assim antes, eu ia deixar que ele se resolvesse sozinho com a coleguinha. Mas, como ele nem estava na intenção de ir pro balanço, disse pra ele deixar a amiguinha brincar pra depois ele balançar de novo.


Aí, o show começou. Se jogou, gritou, levantou... Aí, resolvi que iríamos subir e que ele não iria brincar mais. Aí, novamente, ele saiu correndo e fez novamente a mesma cena no salão de festas. E, tive que pegá-lo de costas para evitar que os tapas e as mordidas me atingissem. E, assim, foi uma gritaria durante todo o caminho... parecia que eu estava batendo, beliscando, de tanto que ele gritava. Mas, eu simplesmente estava com ele no colo, com ele de costas pra mim, somente segurando e trazendo-o pra casa.


Esse tipo de cena é extremamente estressante. Cansa muito, termos que manter a palavra, não deixar voltar, ouvir os gritos, segurar as mãos e manter a paciência...
Mas, em meio a tudo isso, tive que comemorar uma vitória: o meu filho se manifestou em relação a uma outra criança, reivindicando um brinquedo que no entendimento dele, pertencia a ele. Mas, claro, não posso comemorar a cena que ele deu.


Corrigir uma criança não é uma tarefa fácil. Só o Senhor pra nos dar sabedoria, força e paciência, porque é tão difícil! Só o Senhor mesmo!

domingo, 15 de abril de 2012

Calor que me faz pensar...


Esses dias tem feito um calorão. Eu só me lembro desse calor no mês de abril quando eu estava grávida do meu garotão. E, pra aumentar ainda mais essa sessão nostalgia, estou ouvindo “Hilsongs para Bebês”... e o meu garotão, aqui no meu pé, brincando com o fio do computador e com um trenzinho.
Fiquei lembrando como eu estava agoniada com tanto calor, com um barrigão enorme, com a ansiedade para que meu garotão chegasse... Fiquei pensando no quanto eu já amava esse príncipe.
Fico lembrando que mesmo com todos os sonhos que tive para vida dele, eu jamais sonhei tanta coisa maravilhosa... Nunca sonhei tanta vitória, tanta coisa gostosa junta... Como abrir a gaveta de talheres e achar um elefante de pelúcia, como ver o pai chegando com uma pizza e ouvir: “Pizza! Pizza!” Sonhei, mas não imaginava que ouvir alguém dizer “coca-coa” fosse tão empolgante (e o mais empolgante é vê-lo recusar!). Eu sabia, mas não tinha noção do quanto ouvir ‘mamãe’ iria me fazer chorar toda vez que ouvisse...
E, agora, ouvindo essas musiquinhas bem leves, bem relaxantes, vou entrando em processo de sono, e meu garotão corre, corre, corre... Dificilmente vai desligar sem que eu o leve pra cama e deite com ele... E, eu escrevo, tentando registrar um pouco desse amor, um pouco dessa minha vulnerabilidade...
E, o calorão prossegue...
E, aqui, ouvindo, vou louvando ao Senhor, pela forma maravilhosa como Ele criou o meu garotão, e pela forma maravilhosa como Ele tem nos presenteado dia-a-dia!
Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra.
Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.
E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grandes são as somas deles!
Se as contasse, seriam em maior número do que a areia; quando acordo ainda estou contigo. 
Salmos 139:14-18

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Meu Primeiro Beijo



Tudo fez formoso em seu tempo; 
Eclesiastes 3:11
Hoje foi um dia muito especial, aliás, muito mais que especial. Eu ganhei o meu primeiro beijo.
Bom, vou explicar tudo com calma.

Uma coisa que marca a criança autista é a dificuldade que ela tem em comunicar o que sente, seja por abraços, seja por beijos, seja dando oi, seja dando tchau... Então, essas são coisas que meu filho não faz: ele não dá beijo, não dá tchau, não diz oi (nem responde) e abraça aqueles que lhe são próximos (eu, o pai e os avós). Ele também oferece o rosto para beijo, quando dizemos: “dá beijo na mamãe” (e em outras que eu falar). Assim, meu filho tem quase três anos e eu nunca tinha ganhado um beijo dele. Sempre o beijo, no rosto, no olho, na cabeça... Beijo esse garotão demais.

Sabendo disso, coloquei em meu coração um sonho: de ganhar de presente de dia das mães um beijo do meu filho. Eu acalento esse sonho desde que soube que meu filho era autista. Sabia que, se ganhasse um beijo, seria um presente. Não o treinaria, não cobraria... Mas, em meu coração, esse sonho vinha sendo acalentado...

Ontem ele ensaiou mandar beijos na casa dos avós paternos. Não era a primeira vez. Ele já tinha imitado o avô, mas sem o ‘estalinho’ do beijo. Ontem, ele imitou com o ‘estalinho’ do beijo. Estávamos tão felizes em ver esse progresso... afinal, mandar beijo é algo muito especial, principalmente quando é algo voluntário, que parte dele.

Hoje, saímos com toda a família (avós, irmãos, cunhada, sogros do meu irmão, etc) para um lugar que nós guardamos no coração. Foi onde passamos a lua-de-mel e sempre voltamos quando temos tempo (e dinheiro). É o lugar que tem marcado muito a nossa vida.
Então, antes de fazermos a caminhada ecológica, em meio à brincadeiras e beijos com o meu filho, ele me deu um beijo estalado na bochecha. Eu chorei, chorei, muito emocionada. E, ele me deu outro beijo. Ganhei três beijos hoje! Não pedi, não fiz nada, ele simplesmente chegou e estalou um beijo na minha bochecha. Foram três seguidos!

Foi o meu presente de dia das mães, um mês adiantando. E, o que mais me marcou, foi o lugar que Papai do Céu escolheu para que isso acontecesse... No nosso cantinho do mundo, onde tantas coisas tão marcantes já aconteceram... Assim, esse cantinho do mundo fica ainda mais marcado para nós... sempre voltaremos lá e diremos: “aqui, foi onde o meu garotão me deu o seu primeiro beijo”. Quando Deus faz, Ele faz de modo perfeito!
Sei que foi um presente. Claro, espero outros, mas cada beijo que eu receber, guardarei com todo carinho dentro do meu coração...

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Conta as Bênçãos



Conta as bênçãos, dize quantas são,
recebidas da divina mão.
Uma a uma, conta a cada vez;
hás de ver, surpreso, quanto Deus já fez.

Só podia ser essa música mesmo pra me vir à cabeça depois da cena de ontem!
Ontem nosso filho nos fez uma surpresa: no parquinho do condomínio, foi brincar junto com os coleguinhas no gira-gira! Ficamos tão felizes! Nós, os papais, ficamos todos bobos, olhando de longe, com o senso de proteção que nos pertence e lutando para deixá-lo à vontade. Sempre procuramos descer com ele no parquinho pra que ele pelo menos fique perto das outras crianças. É meio complicado estimular as crianças a tentarem brincar com ele, mas mesmo assim, tentamos deixá-lo bem à vontade. Ontem, ele voltou animado da escola, fomos pro parquinho e ele brincou bastante comigo e com o pai. Enquanto isso, as outras crianças brincavam do seu jeito em diversos brinquedos. Quando elas se juntaram para brincar no gira-gira, ele levantou do balanço e foi direto pra lá, pra girar junto com as outras crianças. Colocamos o garotão no gira-gira e ele ficou lá, deu várias voltas... Eu, mamãe super-protetora, morrendo de medo, porque os amiguinhos giravam rápido, fiquei ali, olhando de longe, abraçada com o papai e curtindo esse momento.
Nós temos sido abençoados com diversas vitórias de nosso garoto. Uma coisinha nova que ele tem feito é falar voluntariamente o que ele vê no livrinho que demos pra ele de presente mês passado. Ele passa os bichinhos e fala pelo menos 3, sempre: sapo, ovelha, pato (o mais gostoso é escrever e praticamente ouvir a vozinha dele falando!).
Na segunda feira, ele parou perto de uma foto minha e do pai e disse voluntariamente: ‘papai’, ‘mamãe’! Foi tão gostoso! Geralmente ele só fala papai e mamãe quando estimulado fortemente (tem que falar e repetir várias vezes).
E, a situação mais engraçada: meu filho ganhou um camelo de pelúcia da avó paterna. Um dia, ele estava brincando no quarto dele e falou: ‘gainha’. Eu fui lá ver, e ele estava segurando o camelo. Eu disse: ‘filho, é camelo’. E ele respondeu: ‘gainha’. Eu ri muito! Por mais que seja engraçado ele chamar o camelo de galinha, a vitória é vê-lo dizendo algo sem que seja uma repetição imediata ou sem estímulo. Foi algo dele, veio dele.
Pois é... mesmo em meio a tantas lutas, tantas terapias, é gostoso demais perceber e anotar todas essas vitórias, tudo isso. A gente comemora, a gente vibra cada vez que temos uma novidade assim. E, assim, vemos o quanto Deus já nos tem feito, tanto por nós como por nosso filho. Abaixo, segue a música integralmente. Que tal aproveitar e contar as bênçãos pra saber o que Deus tem feito?

Hino 444 HCC    Conta as bênçãos
Se da vida as ondas agitadas são;
se, desanimado, julgas tudo vão,
conta as muitas bênçãos, conta a cada vez,
e hás de ver, surpreso, quanto Deus já fez.
Conta as bênçãos, dize quantas são,
recebidas da divina mão.
Uma a uma, conta a cada vez;
hás de ver, surpreso, quanto Deus já fez.
Tens acaso mágoas, duro é teu lidar?
É pesada a cruz que tens de suportar?
Conta  as  muitas bênçãos, não duvidarás,
e, cantando, alegre os dias passarás.

Quando vires outros com riqueza e bens,
lembra que tesouros prometidos tens.
Nunca os bens da terra poderão comprar
a mansão  celeste  em que tu vais morar.

Seja teu conflito fraco ou forte aqui,
não te desanimes, Deus será por ti.
Seu divino  auxílio, derrotando o mal,
te dará consolo e paz celestial.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Este é o Dia que o Senhor nos fez.


Este é o dia que fez o SENHOR; regozijemo-nos, e alegremo-nos nele. 
Salmos 118:24

Ontem, dia 02 de abril, foi o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. E, eu passei o dia inteiro pensando o que eu iria escrever para marcar esse dia. Passei por vários blogs, cada um com uma homenagem mais linda que a outra, me inspirando, me fazendo chorar... e, cheguei ao fim do dia sem conseguir escrever nada...

Quando fui dormir, deitei na cama com o meu filho e comecei a cantar com ele e a primeira coisa que me veio a cabeça foi a primeira música que ouvi quando cheguei no quarto, logo depois que ele nasceu. A música é exatamente o texto do Salmo 118.24, que citei no início do texto.

Sim, o dia que meu filho nasceu foi um dia lindo, emocionante, foi o dia que Deus fez para que regozijássemos, nos alegrássemos e comemorássemos com o Senhor. E, pode parecer até meio contraditório, mas pensei também que o dia de ontem foi o dia que o Senhor fez para nos regozijarmos, sabe por quê?

Temos que comemorar que hoje, o autismo não é mais uma doença secreta. Temos que comemorar que as crianças autistas, hoje, tem muito mais chances de terem um futuro promissor. Temos que comemorar que há possibilidade de diagnósticos precoces, que podem facilitar ainda mais a vida dos nossos tesouros. Temos que comemorar que temos diversas terapias que podemos estudar e aplicar para que nossas crianças possam se desenvolver, temos que comemorar que o acesso está se ampliando cada vez mais.
]
Também, temos que agradecer pela força que muitas mamães e papais tem dedicado pela felicidade dos seus filhos. Temos que agradecer a força de muitos papais e mamães lutadores que vão em busca de direitos e tratamentos. Temos que agradecer por organizações que se formam para nos ajudar e nos orientar na busca por nossos direitos. E agradecer, porque já temos um diagnóstico (só quem esteve na luta por um diagnóstico consegue entender a importância disso).

Então, no dia seguinte ao grande dia, esse foi o dia que o Senhor nos fez!!!