terça-feira, 18 de setembro de 2012

Dias Cansativos



Esses dias tem sido bem cansativos por aqui. Na quarta-feira (12.09.12) à noite, nosso Garotão (3 anos 3 meses) começou com uma febre no final do dia. Como acredito que a febre é uma reação do corpo para livrá-lo do que quer que seja que esteja invadindo, deixei para dar o antitérmico apenas antes de dormir.

Saímos para um ensaio e para uma reunião na igreja. Lá, na salinha das crianças, ele até brincou no pula-pula, ficou bem elétrico, principalmente depois que o avô chegou. Mas, quando chegou em casa, a febre subiu muito, e foi para 39oC. Então, dei ibuprofeno e fui tentar terminar um trabalho (que era pra sexta, e que ainda não consegui terminar, misericórdia!). Quando passei de novo no quarto do meu filho, cerca de uma hora após a medicação, vi que ele ainda estava com febre.

Não repeti a dose do remédio, passei a noite fazendo compressa para que a febre não subisse mais. Assim, ficamos papai e mamãe revezando para que a febre não subisse mais. Por volta das 5h30 da manhã, repetimos o ibuprofeno e a febre cedeu.

Na quinta, o garotão acordou bem, tomou banho e ainda passeou pelo bairro. De tarde, a febre voltou com força e o apetite dele foi embora. Assim, passamos mais uma noite sem dormir... Mesmo com antitérmico (ibuprofeno), passamos mais uma noite baixando febre com compressas... Na sexta, nosso cansaço era tanto, que nem levamos o Garotão na psicóloga. Então, o levamos na pediatra do postinho de saúde do bairro, e fomos muito bem atendidos. Então, ela fez uma revelação pra mim surpreendente: ibuprofeno não abaixa febre de mais de 39oC. Fiquei estarrecida, pq sempre usei ibuprofeno. Para a pediatra,só dipirona e paracetamol. Como meu filho nunca tinha tomado dipirona,ela passou só paracetamol.

Resultado: sinusite... e aí, fomos pro antibiótico e pro xarope... Na noite de sexta ainda passamos um bom tempo fazendo compressa pra baixar a febre... mesmo com antibiótico e paracetamol, 39oC... Parece um tormento, né? Mas, graças a Deus, o sábado foi de melhoras. O domingo, apesar das tosses e nariz congestionadinho, o Garotão vem melhorando dia a dia... Pena que ainda não recuperou o apetite...

Finalmente, só conseguimos dormir bem de segunda pra terça... e, agora, é conseguir colocar as tarefas em dia e ainda, recuperar o cansaço... Mas, vamos lutando, né? Só de saber que o nosso Garotão não está mais com febre, já é uma grande coisa!!!
Porque te esquecerás do cansaço, e lembrar-te-ás dele como das águas que já passaram.
E a tua vida mais clara se levantará do que o meio dia; ainda que haja trevas, será como a manhã.
E terás confiança, porque haverá esperança; olharás em volta e repousarás seguro. 
Jó 11:16-18

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Mais um passo de independência: do berço para a cama



O SENHOR é a minha força e o meu cântico; e se fez a minha salvação.
Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do SENHOR faz proezas.
A destra do SENHOR se exalta; a destra do SENHOR faz proezas. 
Salmos 118:14-16
Finalmente, o nosso Garotão (3 anos e 3 meses) dormiu na cama pela primeira vez, no quarto preparado especificamente para o Garotão na fase de garotão. Quando eu estava grávida do Garotão, já com 4 meses, fizemos os móveis do meu quarto e do Garotão. Mas, seria para um futuro próximo.
O Garotão nasceu, foi pro berço, aí veio o diagnóstico de autismo, e aí veio o medo de colocá-lo na cama. Medo simplesmente por medo. Medo dele levantar de noite e sair pela casa. Medo por ele ser sonâmbulo (ele já dormiu na minha cama e acordei assustada com ele descendo dela dormindo e pegando a minha tartaruga de pelúcia gigante). Medo dele cair da cama. Medo, medo, medo. Já estava em nossos planos a mudança, mas estávamos protelando demais. Até que engravidei.
Com um novo neném, não dá pra ele ficar mais no quartinho do berço, né? Então a mudança para o quarto dele agora era imprescindível. E, a transição não poderia ser do tipo: “vamos para o seu quarto para deixar esse para o neném?” De forma alguma! Tinha que ser uma transição que deixasse o Garotão em evidência, tudo preparado para o nosso Garotão. O novo quarto seria um presente de crescimento para ele.
Então fomos atrás das roupas de cama do desenho preferido dele: Carros (pois é, eu pagando a minha língua. Eu nunca quis nada de desenho animado e acabei cedendo para atraí-lo para o quarto dele...). Compramos roupa de cama, a grade, o papai fez uma arrumação dos brinquedos nas prateleiras, enfim, deixou o quarto com cara de quarto de Garotão.
Quando o Garotão chegou da escola, o levamos direto para o quarto dele. Ele abriu um sorriso enorme. Olhou os carrinhos na estampa da colcha, subiu para olhar a janela, curtiu cada carrão nas prateleiras e ficou brincando na cama nova até praticamente a hora de dormir.
Eu fiquei muito preocupada com essa hora de dormir. Quando o Garotão começou a manifestar o soninho, deitamos nós quatro (Garotão, mamãe, papai e neném) na cama dele de solteiro. Ele dormiu mais rápido que pensamos.
E, aí, a noite do Garotão foi tranquila! Ele dormiu a noite inteira. Claro que a mamãe não dormiu, né?Acordou várias vezes de noite para olhar o Garotão, se ele estava bem, se estava com frio, se tinha descido muito na cama, enfim, mamãe preocupada dá nisso!! Acordamos cedo, o Garotão dormindo bem, sem descer na cama... e minhas preocupações esvaindo-se com o escuro da madrugada!
Então, na hora certa, fomos acordá-lo na cama. Ele acordou com um sorriso imenso, uma alegria incrível, e uma animação elétrica para 7h30 da manhã. Ou seja, a caminha nova o ajudou a recuperar as energias!
Viva! Mais um passo no crescimento!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Uma análise do último ano



No final desse mês fará um ano que recebemos a primeira suspeita oficial de que meu filho estava no espectro autista. Eu ia fazer esse post avaliativo quando fizesse um ano, mas como tive consulta recentemente com a neuro, resolvi então fazer essa análise agora.
Tanta coisa aconteceu durante esse último ano... Conhecemos a Deus de uma forma única e especial, aprendemos de Deus de uma maneira incrível! E, temos visto Deus de uma maneira inexplicável.
Temos aprendido o sabor de vitórias. Aprendemos a comemorar cada passo, por menor que seja. Aprendemos a vibrar a cada som novo e toda vez que eles se repetem. Temos aprendido a nos demorar mais nos caminhos que tomamos para curtir cada novidade apontada, cada nome citado, cada número falado, cada letra encontrada.
Temos aprendido a ter paciência. A lembrar que tudo que é difícil para nós, também é difícil para nosso Garotão. Que o tanto que nós nos frustramos, pode também estar frustrando a ele, com uma grande dificuldade: ele não conseguir expressar o que sente, nem o que passa em seu coraçãozinho...
Durante a consulta com a neuro, após tantos relatos de vitórias, a neuro deu o seguinte parecer: o diagnóstico só deve ser fechado quando o nosso Garotão fizer 6 anos, com uma grande probabilidade de ser ou Asperger ou até mesmo fechar fora do espectro. E, estamos caminhando para ir reduzindo a dosagem de risperidona. Na terapia ele já passou para a segunda fase do protocolo: já passou do estímulo do contato visual para a troca de turno (segundo a psicóloga e a neuro, é que ele já faz algo esperando uma resposta). Isso não é lindo?
Bom, vou apresentar a lista de coisas que o nosso Garotão (3 anos e 3 meses) tem feito, que nos tem dado muita alegria, e apresentar também aquilo que ainda não faz...
- Ele consegue denominar as coisas e apontar o que conhece e dizer os seus nomes espontaneamente.
- Consegue responder quando perguntamos: “Quem é?”. Mas tudo para ele, inclusive as coisas, são “quem é!”. Se pergunto: “Qual o nome?” ou “O que é isso?” ele ainda não consegue compreender.
- Consegue fazer algo esperando uma resposta. Claro, que isso não acontece sempre, mas ele já faz algo esperando que a gente repita ou que pelo menos comemoremos com ele...
- Ele já sobe e desce as escadas sozinho. Logo essa parte vai ter um post especial, porque foi algo muito legal quando isso começou a acontecer.
- Ele fala o alfabeto, conta até 50, mas ainda não sabe falar 50. Então ele fala: “Aenta e nove, aenta e dez” e vai até “aenta e vinte”. Identifica as letras, os números, inclusive, sabe diferenciar quando é 2, 3 (dois e três) de quando é 23 (vinte e três).
- Identifica a família inteira: mamãe, papai, garotão e neném.
- Identifica coleguinhas da escola, professoras e ainda uma amiguinha de internet que ele só viu uma vez (e claro, acompanha as fotos no FB).
- Ainda mantém as estereotipias, mas está bem menos frequente. Não precisa ficar fazendo isso o tempo inteiro, mas às vezes, é como se ele pedisse um tempo para se refugiar nisso. Nós respeitamos e deixamos que ele tenha esse momento.
- As birras autodestrutivas diminuíram consideravelmente. Ele tem gritado, até batido na gente, mas considerando que é melhor que ele se bata, né? Mas às vezes do nada, ele ainda bate a cabeça na parede a gente ainda não entende porquê.
- Agora, nosso garotão aprendeu a orar sozinho. E, ainda quer orar sozinho e não deixa que a gente ora, às vezes.
Bom, assim está o nosso garotão. Crescendo, lindo, e saudável. Mas temos um desejo muito maior pra ele:
Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém. 
2 Pedro 3:18

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Luta, luta, luta...



O mês  passado foi uma luta intensa. Aliás, nessa última viagem do meu marido, o embate mãe e filho ficou ainda mais intenso e pesado. Parece que o meu garotão (3 anos e 3 meses) estava com os nervos à flor da pele... e a mãe dele, pior ainda.

Eu estava há muito tempo sem dormir direito: algumas vezes por causa do nariz entupido (diz a minha otorrino que é sinusite gravídica) ou quando o nariz começou a melhorar, porque o nosso próprio garotão também começou a apresentar nariz entupido e tosses... E às vezes, eu acordava às 3h da manhã sem qualquer motivo, e ficava acordada até às seis da manhã por nada... então, a minha paciência ficou à beira do limite, e parece que o nosso garotão percebia isso e ficava ainda mais estressado. Foram várias cenas de acabar com os nossos nervos.

Por causa da gravidez, eu tenho estado bastante cansada. Uma das coisas que eu tenho tentado trabalhar com o Garotão é o ir/voltar para escola andando e subir/descer escadas sem ser no colo. Antes da notícia da gravidez, ele estava voltando da escola andando, mas depois que recebeu a notícia do irmãozinho, passou a só querer ir no colo, a subir escadas no colo... e eu, colocando os bofes para fora!

Então, resolvi ser um pouquinho dura: deixá-lo sozinho para subir a escada (calma, não há perigo: o nosso prédio é dentro de um condomínio fechado, e depois que fechamos a porta, não tem perigo dele sair de novo). Subi na frente e ele parou no caminho e chorou, chorou, chorou. Eu fiquei um lance de escadas à frente e ele embaixo chorando. Voltei, dei uma bronca nele e ele subiu andando pra casa.

Num segundo episódio, eu o deixei chorando embaixo, e ele pediu colo para a menina que estava limpando as escadas. Dei bronca nele de novo, e ele subiu chorando e resmungando.
E, veio mais um episódio estressante: novamente as escadas, e dessa vez, a vizinha ajudou-o dando um bombom. Ai, minha autoridade!!!

Foi um mês terrível para nós aqui. Felizmente, depois que o papai do Garotão chegou de viagem, a paz voltou a reinar. Eu consegui voltar a dormir, dividir um pouco a responsa e aí, o Garotão voltou a subir as escadas e voltar andando...
Mas, vamos que vamos, né?
Ainda bem que posso confiar na promessa...

Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento.
Dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor.
Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os moços certamente cairão;
Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão. 
Isaías 40:28-31