quarta-feira, 30 de maio de 2012

Prontuário do Parto



Acabei dando um longo tempo sobre o relato do caminho em busca do diagnóstico do autismo... Bom, estou voltando com mais um capítulo... Não é proposital essa demora, é que a vida anda tão corrida por aqui..

Salmos 139:16
Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles. 


Logo depois que eu senti a suspeita de autismo crescendo dentro de mim, consegui resgatar o prontuário do parto do meu filho (clique aqui pra saber quando e porque eu peguei esse prontuário). Recebi-o e li tudo, tudo mesmo, e o que aconteceu dentro da sala de parto deixou de ser um mistério.

Na verdade, não aconteceu nada que eu não soubesse, ou que não houvessem me falado. A diferença é que, lendo o que estava escrito, eu teria relatos médicos oficiais.
Então, o que aconteceu: precisei tomar anestesia geral, meu filho nasceu hipotônico e precisou e reanimação. Foram duas tentativas, ele ‘voltou’ na segunda tentativa. Essa segunda tentativa, houve a necessidade do meu garotão ser ‘entubado’ (disso eu não sabia). Então, a resposta a essa segunda reanimação foi perfeita, e em cinco minutos ele estava bem. Tanto que ele chegou primeiro que eu no quarto (só um detalhe: de toda a família, eu fui a última a vê-lo)

Ao invés de desespero, ao ler tudo aquilo, eu senti uma paz, pois eu tive mais uma confirmação de que Deus estava cuidando de tudo. E, que se meu filho tivesse algum problema, provavelmente era por causa da anestesia (ou seja, descartei o autismo de novo...) e por ter nascido ‘apagado’. Além disso, saber de tudo que ocorreu me ensinou uma coisa: ter o meu filho foi um milagre. Seja o que for que tenha acontecido, seja o que for que ele tenha, ele lutou pra chegar aos meus braços, e eu prossigo lutando por ele.
E assim, novamente, descartei a suspeita de autismo.

“Tenaninho”



Pois é... meu garotão fez “Tenaninho” (três aninhos, no idioma dele). E, o dia do aniversário dele foi uma verdadeira odisséia. Enquanto nós, papai e mamãe, ficávamos correndo atrás, preparando tudo para que fosse um dia especial para o Garotão, uma ansiedade sem tamanho crescia dentro da gente: será que ele ia curtir? Que presente dar? Como fazer para que ele saiba o quanto ele é especial para gente.

Achamos que tudo ia ser perfeito, mas... sabíamos dentro da gente que tudo poderia dar errado...

O primeiro desafio foi definir o presente. Queríamos dar uma bicicleta. Como maio já mostra um tempo instável, pensamos em deixar a bicicleta para o verão, tempo mais firme, mais tempo para o Garotão treinar e se divertir. Então, pensamos numa ‘toca’, aquelas cabaninhas infantis. Ah, é duro morar em ‘apertamento’. As tocas não cabiam em nossa casa...  Então, acabamos dando um joguinho de cubos de letras e números. Fiquei triste, queria dar um presente super especial... Entregamos o presente e a expectativa... o Garotão gostou muito! Que alívio!

Mas, para fazer o dia do Garotão especial, fizemos o seguinte: programamos um super café da manhã, com tudo de chocolate, como ele gosta. Ele acordou, cantamos parabéns e ele parecia estar curtindo muito! E, aí, ele começou a falar: “Tenaninho”. Ficamos super felizes! Depois, fiquei correndo pra preparar o material da festinha da escola: brigadeiro de colher e o cachorro quente.

Depois, mandamos o Garotão para a escola, pois daí  2h estaríamos voltando para organizar a festinha e cantar parabéns. Mas aí, foi a maior frustração do dia: o Garotão chorou o tempo inteiro... desde a hora que chegamos até a hora de sairmos ele chorou... nem bolo de chocolate e nem brigadeiro ele quis comer, coisa que ele ama de paixão. Mas as crianças da salinha dele amaram... curtiram a historinha, o parabéns, o lanchinho...
Mas aí, foi só sairmos da escola que ele voltou a ser o Garotão falante e sorridente! E, já saiu falando “Tenaninho!”. Que gostoso! Apertamos muito!

E, de noite, mais um parabéns: os avós maternos e os titios maternos vieram para casa e batemos parabéns exatamente no horário em que ele nasceu, às 21hs. Aí, a coisa mais gostosa: ele enfiou todas as velas que achou no bolo! Muito engraçado! Finalmente, parecia que o Garotão estava curtindo o aniversário dele... Tanto curtiu que só foi dormir quase meia noite!

Esse foi o Tenaninho... E, a música que mais demonstra a minha felicidade por esse “Tenaninho” segue abaixo:

Tempo de Festa
Este é um tempo de festa
Este é um tempo de louvor
Pra celebrar aquele que primeiro nos amou
Transformou nosso choro em riso
Nos deu novas vestes de louvor
Prá celebrar aquele que primeiro nos amou
Nos tirou do império das trevas
E nos deu perdão e paz
Arrancou todas as feridas
Nos fez felizes demais
Festa, alegria
É uma dança de celebração
Ao único digno
Jesus, seu nome é Jesus
Festa, alegria
É um povo que se reúne aqui
Diante do trono do Rei
Do Rei dos reis
Seu nome é Jesus

quinta-feira, 17 de maio de 2012

E, o Remo chegou!


Exultai no SENHOR toda a terra; exclamai e alegrai-vos de prazer, e cantai louvores. 
Salmos 98:4
Sexta, dia 25, meu garotão estará completando seus três aninhos... e os presentes já começaram a chegar. E, ontem chegou um hamster de presente pro meu garotão, presente da titia (minha irmã).

Marido e eu estávamos meio preocupados com a reação do garotão ao receber o Remo. A nossa maior preocupação é que ele não desse atenção pro bichinho e acabasse sendo uma frustração.

Mas, quase às 18h minha irmã chegou,e preparamos a câmera e mostramos o bichinho pro meu filho e... a surpresa: o garotão abriu um sorriso incrível, vibrou com a gaiola, o bichinho saindo da casinha... uma coisa incrível de linda de ver o bichinho! E, quando tiramos o bichinho da gaiola? O Garotão ficou todo empolgado! Queria pegar, queria apertar... deu uma dó do bichinho... estamos orientando para que ele faça carinho no bichinho...

E, quando colocamos o Remo na bola? Meu filho chutou! Gente, meu filho nunca chutou uma bola!! Foi a coisa mais incrível para o desenvolvimento dele. Só o ruim é que eu fiquei com pena do hamster, né? Espero que ele prossiga chutando bolas, sem chutar o Remo...

Não sabíamos que um bichinho ia fazer tanta diferença na interação do nosso filho com o mundo. E, agora entendo porque as pessoas recomendam cães maiores e mais tranqüilos... porque do jeito que meu filho apertou o hamster, só um cachorro, do tamanho de um cavalo que ia agüentar...

Vamos ver como será então esses dois agora... tenho certeza que ambos se darão muito bem!

terça-feira, 15 de maio de 2012

O primeiro beijo do papai...



Vinde, e vede as obras de Deus: é tremendo nos seus feitos para com os filhos dos homens. 
Salmos 66:5

Esses dias eu estava pensando em passar por aqui. Não tinha nenhuma novidade grandiosa, só lutas, lutas e lutas... Mas, geralmente quando estou em meio à muitas lutas fico sem inspiração para escrever.

Ontem e hoje pela manhã estava me sentindo meio incompetente como mãe. Afinal, em meio a tanta correria, não conseguia dar atenção suficiente ao meu filho. Fui chamada para conversar na escolinha dele porque ele estava dormindo todas as aulas. Consegui me sentir péssima por não estar conseguindo rotina para que ele dormisse cedo e, quando precisasse acordar cedo, não sentisse sono. Mas, o que mais me impressionava não era o sono dele à tarde, mas o fato dele ficar com sono na sala... saí muito chateada da conversa com a pedagoga.

Além disso, meu filho parou as mordidas e começou com os tapas. Pois é, meu filho estava me batendo tanto de raiva como sem motivos nenhum. Coloquei-o de castigo e nada de diminuir os tapas... Assim, eu estava me sentindo péssima.
E, para completar, tive que pedir ao pai dele para que os dois saíssem pra que eu conseguisse terminar as minhas tarefas. Isso doeu o meu coração... puxa, não estar dando conta de fazer duas coisas ao mesmo tempo! Foi difícil.

Mas, quando os dois chegaram da rua, eu abracei o meu filho e aí, veio a surpresa, ganhei um beijão. Com ummmmsmack!! Foi perfeito! Aí, eu comecei a pedir beijo e ele me respondia me beijando. Depois eu falei: dá beijo papai, ele chegou de mansinho e deu ummmmsmack no papai... fiquei emocionada. Beijamos tanto esse garotão, tanto, tanto... não dá nem pra descrever.

Receber um beijo de um filho é algo indescritível. Eu queria muito ganhar um beijo no dia das mães. Não ganhei esse beijo no dia das mães, mas três dias depois vi o meu marido ganhando esse beijo tão esperado. Foi muito emocionante esse momento.
Quando meu filho chegou da escola hoje também ganhei outro beijo. Aliás um monte... foi incrível...
Não sei se esses beijos agora serão regra ou serão surpresas e pérolas como dizer ‘mamãe’, não importa... só quero que cada beijo continue sendo tão especial.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Mordidas




Justo é o SENHOR em todos os seus caminhos, e santo em todas as suas obras.
Perto está o SENHOR de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade.
Ele cumprirá o desejo dos que o temem; ouvirá o seu clamor, e os salvará. 
Salmos 145:17-19
Meu filho está numa fase muito difícil. Está me mordendo muito. O detalhe é que nem sempre é de raiva (aliás, quando ele está com raiva, a mordida não é a primeira opção dele para protesto).

O detalhe é que ele só me morde: não morde o pai, nem os avós, nem os tios. Às vezes, do nada, ele para do meu lado e lasca uma mordida. Outras, eu estou com ele no colo, ele me puxa os cabelos e força para morder o meu nariz (de onde ele tirou isso?). E, para mim, a pior parte, é quando vamos colocá-lo para dormir, estamos quietinhos, ele simplesmente vira e mete o dente na minha bochecha! E aí, acabo dando um berro, claro, e vejo o meu filho morrendo de rir.

Estou sem saber o que fazer para ser muito sincera. Me recomendaram não me manifestar, pois qualquer manifestação minha seria um reforço positivo às mordidas. Isso é o mais difícil de fazer. Como não brigar? Como não dizer “não morde!”? E, o  pior, como não gritar de dor (dói abessa!).

Outra recomendação que me deram foi observar os momentos que ele faz isso. Geralmente ele me morde do nada. Simplesmente me pega e morde. O que eu reparei é que com as viagens do pai (chegada ou saída) a incidência de mordidas aumenta bastante. E, não sei como trabalhar isso.

Mas, vamos lutando, não é?
Vou em busca de uma solução. Estou lendo um artigo que fala como cuidar desse tipo de agressão. Uma hora dessas vou tentar por em prática. Pode ser que apenas o tempo arranje uma solução. Mas mesmo assim, a gente vai curtindo o máximo esse garotão, que pode morder o que for, mas é o meu garotão!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Usando Máscaras (fonoterapia)



Devido à sequencia de feriados, meu filho ficou uma semana sem fonoterapia. Para não perdermos o trabalho que já tem sido feito desde então, a fonoaudióloga mandou para casa uma ‘tarefinha’: várias máscaras de bichos para nós brincarmos.

Que tarefinha gostosa! Começamos brincando de colocar a máscara e falar o nome do bichinho. Depois, tirar a máscara e falar quem está por trás da máscara. Foi mais ou menos assim:
“Com máscara:
- Sapo!
O garotão respondia:
- Sapo!
Mamãe tira máscara:
- Mamãe!
Garotão respondia:
- Mamãe.”
E assim, fizemos com várias máscaras: Sapo (que é o bicho preferido dele agora!), vaca, pintinho e leão. E, além dessa brincadeirinha fofa, lembramos de um cântico que usamos muito com as crianças da igreja;

“Deus fez o sapo, o sapo faz ‘croac’ para louvar o seu nome!”
E, assim repetindo com todos os bichinhos que tem sons. Normalmente, uma criança de 2 a 3 anos não necessita (mas é muito bom que tenha) de um visual para fazer o som do bichinho citado. Mas o nosso garotão, precisa de ver o bichinho, depois de ser repetido diversas vezes para associar o bichinho ao som que ele faz. Fizemos assim com os bichinhos que temos máscaras.

O resultado desse trabalho com as máscaras foi muito bom para relacionar bicho e som. Os únicos bichos que não precisam da figura para que ele consiga fazer o som, são o sapo e o gato, que a gente tem brincado bastante. O gatinho é a coisa mais fofa: a gente fala com o garotão: “Gatinho!”. O garotão responde: “Miau!”.
Tem sido delicioso trabalhar junto, pois é muito mais que terapia, é diversão total!

Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus 
Eclesiastes 3:13

domingo, 6 de maio de 2012

Trabalhos e progressos



Há um mês atrás, nosso garotão manifestou interesse pelas letras. Começou a ‘ler’ seguindo com a mão, e nós, papais, bobos que somos, começamos a ensinar as letras para ele. E, nessa brincadeira, escrevi o nome dele bem grande e colei na porta para que ele reconhecesse o nome dele.

Nessa brincadeira, tivemos a ideia de colocar em prática o PECS (Sistema de comunicação por figuras - http://pecsemportugues.blogspot.com.br/). Só que não fizemos da forma tradicional. Aliás, até peço desculpas aos terapeutas especializados em autismo, porque não sei nem se posso citar como forma de comunicação alternativa.

O que fizemos então: pegamos fotos dos parentes mais próximos (pai, mãe, avós, tios maternos) e escrevemos os nomes abaixo das fotos. Meu marido fez a elaboração, impressão e a plastificação (para que o garotão pudesse tê-los à mão sempre que quisesse, sem risco de estragar).

Quando começamos, o desenvolvimento foi ainda mais surpreendente. Além de reconhecer figuras dos parentes próximos, o vocabulário dele ficou ainda maior. Ao ver as imagens dos familiares, ele começou a nomeá-los e ainda dizer os nomes, principalmente dos avós.

E, para completar, também não imaginávamos que o desenvolvimento dele com as letras também seria tão grande. Por causa desse material, ele já está identificando muito bem as vogais (tá lindo, tá igual criança quando começa aprender a ler... onde vê o O, o I, ele aponta, e a mamãe e o papai do garotão ficam bobos, todo orgulhosos!).

Agora, nosso alvo é fazer isso com a rotina, para ajudá-lo a se adaptar previamente. Escola, igreja, saídas, brincadeiras, enfim, queremos ampliar o uso desse novo recurso.

Que darei eu ao SENHOR, por todos os benefícios que me tem feito? 
Salmos 116:12

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Pedidos de Desculpas



Depois de um tempo longo longe do blog, estou de volta. O meu notebook caiu no chão e a tela rachou todinha e fiquei sem computador por quase 10 dias. Então, não consegui nem postar aqui no blog (não consegui nem trabalhar direito...)
Temos muitas novidades do meu Garotão, mas vou fazê-las aos poucos. Afinal, foram mais de 10 dias de trabalho e progressos.
Além disso, ainda tenho que terminar de contar toda a história do diagnóstico ainda... mas vamos aos poucos.
Agradeço aqueles que mesmo durante esse tempo, continuaram passando por aqui e nos visitando, na expectativa que novidades aparecessem.
Um grande Muito Obrigada!!