segunda-feira, 7 de maio de 2012

Usando Máscaras (fonoterapia)



Devido à sequencia de feriados, meu filho ficou uma semana sem fonoterapia. Para não perdermos o trabalho que já tem sido feito desde então, a fonoaudióloga mandou para casa uma ‘tarefinha’: várias máscaras de bichos para nós brincarmos.

Que tarefinha gostosa! Começamos brincando de colocar a máscara e falar o nome do bichinho. Depois, tirar a máscara e falar quem está por trás da máscara. Foi mais ou menos assim:
“Com máscara:
- Sapo!
O garotão respondia:
- Sapo!
Mamãe tira máscara:
- Mamãe!
Garotão respondia:
- Mamãe.”
E assim, fizemos com várias máscaras: Sapo (que é o bicho preferido dele agora!), vaca, pintinho e leão. E, além dessa brincadeirinha fofa, lembramos de um cântico que usamos muito com as crianças da igreja;

“Deus fez o sapo, o sapo faz ‘croac’ para louvar o seu nome!”
E, assim repetindo com todos os bichinhos que tem sons. Normalmente, uma criança de 2 a 3 anos não necessita (mas é muito bom que tenha) de um visual para fazer o som do bichinho citado. Mas o nosso garotão, precisa de ver o bichinho, depois de ser repetido diversas vezes para associar o bichinho ao som que ele faz. Fizemos assim com os bichinhos que temos máscaras.

O resultado desse trabalho com as máscaras foi muito bom para relacionar bicho e som. Os únicos bichos que não precisam da figura para que ele consiga fazer o som, são o sapo e o gato, que a gente tem brincado bastante. O gatinho é a coisa mais fofa: a gente fala com o garotão: “Gatinho!”. O garotão responde: “Miau!”.
Tem sido delicioso trabalhar junto, pois é muito mais que terapia, é diversão total!

Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus 
Eclesiastes 3:13