domingo, 23 de dezembro de 2012

Próximo Alvo: Desfralde



Os meus olhos estão continuamente no SENHOR, pois ele tirará os meus pés da rede.
Olha para mim, e tem piedade de mim, porque estou solitário e aflito.
As ânsias do meu coração se têm multiplicado; tira-me dos meus apertos. 
Salmos 25:15-17
Dentre as etapas de desenvolvimento previstas para uma criança, encontramos o desfralde. E, esse vai ser o próximo desafio a ser vencido. Comecei a pesquisar na net sobre o desfralde de uma criança autista, e achei alguns blogs e até mesmo artigos que vou postar aqui.
Mas, antes disso, vou contar como está a situação aqui em casa. Quando o Garotão começou a sentar (6 meses), iniciamos o uso do piniquinho. Não, não foi o desfralde... apenas usávamos o piniquinho pra que ele eliminasse o cocô e o xixi, e sempre na hora que ele costumava fazer. E, ficamos assim até 1 ano e 6 meses. E, foi exatamente nessa época que ele parou de falar. E, além de parar de falar, ele também regrediu em relação ao desfralde: parou de sentar-se ao piniquinho, recusava completamente. Tudo ficou muito diferente.
Resolvemos então parar com a questão do desfralde e aproveitar que ele voltaria a falar e que ele iria para escola para fazer o desfralde no ano seguinte. Mas, como já falamos, ele parou de falar, e descobrimos o autismo.
E, não somente a regressão dele que atrapalhava. Enquanto estávamos em busca de um diagnóstico, não parávamos em casa, o que não ajudava em relação ao desfralde... afinal, sem rotina, não tem desfralde que funcione... Então, quando recebemos o diagnóstico de autismo, resolvemos esquecer o desfralde até uma outra oportunidade.
Finalmente, o Garotão fez três anos e achamos que talvez fosse uma boa hora pra iniciar o desfralde. Mas, a quantidade de terapias não ficávamos tempo em casa suficiente para que ele pudesse parar para ir ao banheiro.
Quando voltou a esquentar (na primavera), tentamos recomeçar o desfralde: deixar o garotão de cuequinha pra tentar perceber os momentos que ele fazia as necessidades. Aí, apareceu mais uma dificuldade: tudo que fosse relacionado ao xixi, começou a receber o nome de xixi: fralda, pipiu, até mesmo a Mônica (pois a fraldinha dele é da Turma da Mônica Soft Touch) recebeu o nome de xixi. E, passamos por até situações tensas de andar ir ao restaurante e o Garotão gritar: “Xixi do papai!” (micão total do papai, né?).
Finalmente, conseguimos fazer com que ele diferenciasse essas coisas relacionadas ao xixi e passamos alguns dias com ele usando o banheiro... mas não o vaso, o box. Isso se tornou um problema pois ele não aceitava o vaso sanitário em outros lugares. Assim, ele só fazia xixi em casa se fosse no box.
Então, resolvemos que começaríamos o desfralde quando o meu marido desembarcasse... afinal, não dá pra ficar sozinha limpando o chão de xixi e cocô sozinha e com esse barrigão de 6 meses (é, o meu é barrigão mesmo!). Mas, meu marido chegou e teve que viajar para um curso. Então, definimos que essa semana iríamos começar e... compras de natal.
Agora, vamos definir que começaremos o desfralde agora em janeiro. Sem terapias, sem aula, e... com marido viajando... Pretendo contar os detalhes, como as coisas vão andando...
O desfralde de uma criança neurotípica já é uma luta, com uma criança que ainda não sabe expressar o que quer é um desafio ainda maior. O Garotão ainda não se incomoda com fralda suja, muitas vezes só percebemos que ele está de cocô depois de muito tempo, quando sentimos o cheiro... é tenso, né?
Mas, vamos lutando. Janeiro vem aí com mais uma grande luta.
Ah, como eu dia dizendo, vou deixando alguns links onde estou tirando algumas ideias pra iniciar o desfralde:
Lagarta vira pupa:


Revista Autismo: