domingo, 6 de maio de 2012

Trabalhos e progressos



Há um mês atrás, nosso garotão manifestou interesse pelas letras. Começou a ‘ler’ seguindo com a mão, e nós, papais, bobos que somos, começamos a ensinar as letras para ele. E, nessa brincadeira, escrevi o nome dele bem grande e colei na porta para que ele reconhecesse o nome dele.

Nessa brincadeira, tivemos a ideia de colocar em prática o PECS (Sistema de comunicação por figuras - http://pecsemportugues.blogspot.com.br/). Só que não fizemos da forma tradicional. Aliás, até peço desculpas aos terapeutas especializados em autismo, porque não sei nem se posso citar como forma de comunicação alternativa.

O que fizemos então: pegamos fotos dos parentes mais próximos (pai, mãe, avós, tios maternos) e escrevemos os nomes abaixo das fotos. Meu marido fez a elaboração, impressão e a plastificação (para que o garotão pudesse tê-los à mão sempre que quisesse, sem risco de estragar).

Quando começamos, o desenvolvimento foi ainda mais surpreendente. Além de reconhecer figuras dos parentes próximos, o vocabulário dele ficou ainda maior. Ao ver as imagens dos familiares, ele começou a nomeá-los e ainda dizer os nomes, principalmente dos avós.

E, para completar, também não imaginávamos que o desenvolvimento dele com as letras também seria tão grande. Por causa desse material, ele já está identificando muito bem as vogais (tá lindo, tá igual criança quando começa aprender a ler... onde vê o O, o I, ele aponta, e a mamãe e o papai do garotão ficam bobos, todo orgulhosos!).

Agora, nosso alvo é fazer isso com a rotina, para ajudá-lo a se adaptar previamente. Escola, igreja, saídas, brincadeiras, enfim, queremos ampliar o uso desse novo recurso.

Que darei eu ao SENHOR, por todos os benefícios que me tem feito? 
Salmos 116:12