quarta-feira, 30 de maio de 2012

Prontuário do Parto



Acabei dando um longo tempo sobre o relato do caminho em busca do diagnóstico do autismo... Bom, estou voltando com mais um capítulo... Não é proposital essa demora, é que a vida anda tão corrida por aqui..

Salmos 139:16
Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles. 


Logo depois que eu senti a suspeita de autismo crescendo dentro de mim, consegui resgatar o prontuário do parto do meu filho (clique aqui pra saber quando e porque eu peguei esse prontuário). Recebi-o e li tudo, tudo mesmo, e o que aconteceu dentro da sala de parto deixou de ser um mistério.

Na verdade, não aconteceu nada que eu não soubesse, ou que não houvessem me falado. A diferença é que, lendo o que estava escrito, eu teria relatos médicos oficiais.
Então, o que aconteceu: precisei tomar anestesia geral, meu filho nasceu hipotônico e precisou e reanimação. Foram duas tentativas, ele ‘voltou’ na segunda tentativa. Essa segunda tentativa, houve a necessidade do meu garotão ser ‘entubado’ (disso eu não sabia). Então, a resposta a essa segunda reanimação foi perfeita, e em cinco minutos ele estava bem. Tanto que ele chegou primeiro que eu no quarto (só um detalhe: de toda a família, eu fui a última a vê-lo)

Ao invés de desespero, ao ler tudo aquilo, eu senti uma paz, pois eu tive mais uma confirmação de que Deus estava cuidando de tudo. E, que se meu filho tivesse algum problema, provavelmente era por causa da anestesia (ou seja, descartei o autismo de novo...) e por ter nascido ‘apagado’. Além disso, saber de tudo que ocorreu me ensinou uma coisa: ter o meu filho foi um milagre. Seja o que for que tenha acontecido, seja o que for que ele tenha, ele lutou pra chegar aos meus braços, e eu prossigo lutando por ele.
E assim, novamente, descartei a suspeita de autismo.