domingo, 6 de outubro de 2013

O que é Livre Demanda para mim


Como crianças recém-nascidas, desejem de coração o leite espiritual puro, para que por meio dele cresçam para a salvação,
1 Pedro 2:2

Amamentar é algo incrível pra mim. Um momento não só de alimentar a Princesa, mas de ficar junto, abraçar, apertar, e até mesmo de uma tranquilidade imensa, não importa onde eu esteja.

É recomendado que a amamentação seja feita exclusiva até os seis meses e em livre demanda, ou seja, sempre que o bebê quiser mamar, devemos oferecer o peito para ele. Parece até que os pequenos viram uns tiranos e que nós viramos índias, com o bebê pendurado.
Pode ser que sim, mas pode ser que não. E, apesar de às vezes não parecer, isso é maravilhoso!! 

Muitas vezes, a Princesa ficou realmente o dia inteiro pendurada, apenas mamando (e ainda fica, mesmo com a introdução alimentar). Muitas vezes, fiquei cansada. Mas, o que eu mais me lembrava durante esse período era desse texto bíblico que citei no início.
Logo que o bebê nasce, ele fica o tempo inteirinho grudado no peito. Aliás, é muito importante isso no primeiro mês, para que o bebê tenha sempre mais leite, para que ele recupere o peso da alta (o bebê perde cerca de 10% do peso no primeiro mês, e isso é normal!) e sua nutrição seja garantida. É nesse período que o ‘mamá’ cura tudo: refluxo, golfada, cólicas, frio, dor... tudo se resolve no mamá... é incrível o que o mamá é capaz de resolver nesse período.

O tempo vai passando, e pode não parecer, ele vai se afastando cada vez mais do ‘mamá’. Depois dos 3 meses, as coisas em volta dele passam a ser mais interessantes que a amamentação. Então, é uma mamadinha, uma olhada em volta, outra mamadinha, um sorriso, assim por diante. Se alguém fala perto do bebê, ah, ele já larga o peito, e dá um sorriso gostoso pra essa pessoa...

E, aí, vem a introdução alimentar. A criança não encontra mais tudo em você. Ela precisa agora receber outros alimentos: frutas, legumes, verduras, carne... E, assim, ela vai crescendo, até que, depois de dois anos (logo ou muito depois), ela pode começar a querer a largar o peito...

Apesar disso, durante esse crescimento, ela tem fases que volta a grudar no peito novamente. Dizem que são os saltos de desenvolvimento (ou pico de crescimento, ou tudo junto). E aí, os nossos bebês voltam a querer apenas o leitinho que resolve tudo!

Sempre que estou amamentando a minha filha, eu penso nesse versículo. Pedro falando que devemos querer o crescimento espiritual da mesma forma que a Princesa mamava nos três primeiros meses. Sempre querendo mamar, sem limite de tempo, sem regras, sem horário marcado. Sempre que qualquer incômodo aparecia, era só buscar o colinho da mamãe... Assim, devemos ser em nosso relacionamento com Deus. Sem hora marcada, sem motivos, sem dia estipulado na semana: simplesmente buscando o Senhor em todo o tempo.

Deus nunca vai ficar cansado de nos receber. Ele nunca vai ter sono. Ele nunca vai ficar cansado e nem ter dor de cabeça. Ele sempre estará sempre disposto a nos amparar.