segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Ah, que doce música para os meus ouvidos...


Exultai no SENHOR toda a terra; exclamai e alegrai-vos de prazer, e cantai louvores. 
Salmos 98:4

Ser mamãe de uma criança especial tem sabor de momentos especiais. Temos lutado para que nosso filho exponha todo o vocabulário aprendido durante os seus 2 anos e 8 meses de vida... Então, coisas que seriam normais para qualquer criança, para nós, tem sabor de um grande evento.
Sabemos que ele entende tudo o que falamos, mas falar, se comunicar, ele não fala, não se comunica, não se relaciona.
Mas, hoje, dia 30 de janeiro de 2012, recebemos um grande presente: estávamos querendo colocar o garotão pra dormir antes da sessão de fonoterapia e o papai saiu da cama. Falei pra ele chamar “papai...” e ele chamou! Chamou até o papai chegar na cama. Quando pedi pra ele repetir ele disse: “mamãe”... Gente, pulei de alegria, apertei, apertei, fiz cócegas! E, na esperança de receber as cócegas, chamava cada vez mais ‘mamãe’. Ah, que música mais gostosa para o ouvido de uma mãe!
Ainda não sei se ele só associou a palavra às cócegas ou se já sabe chamar mamãe, quando precisar. Não sei, mas pra mim, ele chamar mamãe, pedindo cócegas, já é uma grande vitória!
(Ah, claro, tenho certeza que o papai deve ter ficado feliz da vida, que pra cada 2 mamães, saía um papai... hihihi).
Ah, não é a primeira vez que nosso garoto fala papai e mamãe. Por serem momentos tão raros, guardamos todos eles, anotamos todos eles, pois cada um desse momentos tem um sabor de vitória.

Exultai no SENHOR toda a terra; exclamai e alegrai-vos de prazer, e cantai louvores. 
Salmos 98:4

Ainda estamos escrevendo toda a história do diagnóstico do nosso filho. Se quiser saber como começamos essa jornada, é só ler as seguintes páginas: