segunda-feira, 29 de junho de 2015

Autismo - Identificando Emoções



Mas, se somos atribulados, é para vossa consolação e salvação; ou, se somos consolados, para vossa consolação é, a qual se opera suportando com paciência as mesmas aflições que nós também padecemos;
2 Coríntios 1:6

É incrível o quanto a Princesa tem ensinado grandes coisas ao Garotão. E  grandes sacadas, coisa de gênio.
Uma das dificuldades que uma criança autista pode apresentar é a dificuldade de identificar a própria emoção e até mesmo reconhecer emoções no rosto de outras pessoas. Desde que tivemos o diagnóstico do Garotão, temos trabalhado isso com ele. Ele não consegue identificar sua própria frustração e nem a sua própria raiva, o que muitas vezes o leva a ter reações auto-agressivas. Tentamos figurinhas, aplicativos pra tablet, desenhos, histórias sociais... mas, não conseguimos nomear as emoções.
Bom, esses dias, a Princesa resolveu manifestar sua raiva e frustração porque não queria comer. Então, imaginem a cena: voou colher, cadeira, tudo... E, eu, com uma paciência que só pode ter vindo do Espírito Santo, peguei a pequena, olhei pra ela e perguntei: “Você está com raiva?” Ela olhou pra mim, com aqueles lindos olhos pretos e enormes, começando a marejar ... Eu falei com ela: “Você está com raiva porque não quer comer? Isso que você está sentindo é raiva!”
A Princesa respondeu: “Eu estou com raiva!”.
Peguei a pequena e levei pro quarto dela, na poltrona de amamentação, peguei um elefantinho de pelúcia e disse: “Princesa, abrace o elefantinho bem forte pra raiva passar. Mamãe vai ficar com o Garotão”. E a deixei no quarto dela.
Assim que eu cheguei de volta à cozinha, o Garotão disse: “Eu não estou com raiva!”
Sim, ele está identificando que não está com raiva!!! Agora ele sabe o que é raiva porque viu a irmã com raiva... Ou seja, agora que ele viu como a irmã faz pra passar a raiva, pode usar a mesma ferramenta pra se acalmar.
No dia seguinte, fomos à casa dos meus pais e a Princesa fez aquela carinha furiosa (só que não sei porque dessa vez) e o Garotão já soltou: “eu não estou com raiva!”
Estou muito feliz. Parece coisa pouca, né? Mas identificar um sentimento, uma frustração diante de um fato, é algo muito grande. Ele entendendo o que é, pode também aprender a lidar com isso...


Vejo num novo caminho aberto. E, vejo novas vitórias.
E, como sempre, Princesa se revelando o grande Milagrinho do Garotão.