domingo, 3 de janeiro de 2016

O Desmame da Princesa


O Desmame da Princesa – Pendências 2015

Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu. Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.
Eclesiastes 3:1,11

O ano de 2015 acabou e muitas novidades ficaram para trás. E, não posso deixar de compartilhá-las com vocês. Então, além das novidades de 2016, nesse início de ano, teremos alguns fatos marcantes do final de 2015.

E, a primeira novidade é:
A Princesa desmamou!
Sim, foi um desmame um pouco abrupto pra mim, mas foi na hora dela, no momento dela. E, a última mamada dela foi dia 07/12/2015.
O desmame do Garotão foi um desmame gradual, gentil e em parte conduzido. Depois que ele teve um desmame noturno abrupto (como me arrependo! Foi tão cruel!) a sequência seguinte foi conduzido tão mais naturalmente que ele foi deixando de mamar gradualmente. Um dia ele foi aumentando os espaçamentos entre as mamadas, deixou de mamar pela manhã, depois à tarde, depois intercalando, até que um dia, ele parou simplesmente não pediu mais. Não me lembro exatamente quando foi que o Garotão mamou pela última vez (engraçado como também não me lembro da sua primeira mamada).
Como a Princesa seguiu um caminho diferente na amamentação (livre demanda até 18 meses, desmame noturno gentil e regulação da hora de mamada aos 24 meses) imaginei que ela fosse levar a amamentação até os 3 anos ou mais. Mas, depois que começamos a regular o horário das mamadas, ela começou a deixar de mamar. Chegamos a ter 48h de espaçamento entre as mamadas. Quando aconteceu esse intervalo, percebi que a qualquer momento eu poderia estar fazendo a última mamada.
Até que no dia 07, a professora ligou dizendo que a Princesa estava com febre. Meu marido foi busca-la na escolinha, ela chegou em casa, mamou muito, dormiu no meu colo e eu fiquei ali, curtindo o colinho dodói, mas muito gostoso. Até então, não imaginávamos o que pudesse estar dando febre na nossa Princesa.
Então, depois que ela acordou, vimos que a boquinha estava cheia de aftas. Ofereci mamá de novo, mas dessa vez ela não conseguiu pegar. Doía. Então, passei os próximos cinco dias da recuperação dela ansiosa pra que a boquinha dela sarasse e ela voltasse a mamar.
E, no sábado, a boquinha dela estava melhor. Ofereci o mamá e ela tentou, mas por pouquíssimo tempo. Depois, olhou pra mim e disse: “Eu não consigo mais mamá”. Doeu em mim. Eu não estava pronta pra esse desmame tão cedo (pra mim). Ofereci diversas vezes nos dias seguintes. Algumas vezes tentou, outras, nem deu bola. Parei de oferecer e finalmente assimilei que minha Princesa não é mais um bebê. E, segundo ela, ela ainda não é uma menina grande. Simplesmente é uma menina pequena que não mama.
Às vezes ela pede o mamá e não consegue mais sugar. É como se ela tivesse perdido a prática. Se ordenhar, ainda tenho leite, mas mesmo sendo um desmame tão abrupto pra minha mente, não o foi pro meu corpo: não houve empedramento, nem dores, nada... meu peito não encheu... sem traumas para a fisiologia da amamentação.
Sim, findamos mais uma fase. E, amamentamos, com muito amor, por dois anos e oito meses.