quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Educação Cristã Inclusiva


Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas.
Romanos 2:11
Viram a expressão que acabei de inventar (tipo, procurei no Google e só achei em uns dois ou três sites... hehehehe)? Sei que é estranho pensar que não temos inclusão nas igrejas. Sim, todos são bem-vindos em nossas igrejas, mas queremos mais! Não apenas recebê-los, mas deixar que tanto as pessoas com necessidades especiais como os seus pais se sintam à vontade e aproveitem por estar conosco. Pois é, no último post eu comentei sobre a reunião que tivemos do grupo de luta pelo direito dos autistas de nossa cidade, né?

Uma das surpresas que tive na reunião foi que todos nós que estávamos presentes somos pertencentes a uma igreja batista. Achei incrível inclusive o fato de vermos que mesmo assim nós não nos conhecíamos (nossa cidade não é tão grande assim...)

Então, um dos assuntos tratados foi como é ir com nossos filhos à igreja. Bom, o meu filho ainda é pequeno, só tem 4 anos. Então, o comportamento dele ainda não ‘incomoda’ muito. Mas os outros, são maiores, e segundo os pais, eles acabam atrapalhando o culto
Um dos pais até mesmo sugeriu que uma igreja fizesse um ‘culto para os pais de autistas’ para que nós pudéssemos cultuar sem atrapalhar os outros. Eu não gostei muito da ideia, porque isso nos tornaria ainda mais isolados dos outros (isso é apenas a minha opinião!). Mas, conheço outras mamães que simplesmente não vão à igreja com o filho autista porque simplesmente não dá... assim, acabam revezando pai x mãe e a família quase nunca está completa no culto.

Bom, o que fazer então?
A igreja onde eu era, nós tínhamos várias oportunidades de inclusão. Desde crianças com dificuldades motoras, como emocionais e cognitivas. E, nunca estávamos preparados para receber essas crianças de uma forma satisfatória. Mas algo era certo: oferecíamos o máximo de amor em nossos corações.

Quando descobrimos o autismo do nosso filho, até mesmo minha postura na igreja começou a mudar. Comecei a pensar uma forma de não apenas recebermos essas crianças, mas também oferecermos uma oportunidade de participação e aprendizado: disponibilizando um voluntários específico para elas e atividades que sejam compatíveis. E, começamos a receber mais crianças especiais. E, precisamos estudar mais.

Há uns três meses, mudamos de igreja. Nessa, chegamos informando da condição do nosso Garotão. E, a atenção foi imediata. A tentativa de integração e ensino também foi bem estimulada. Tanto que o Garotão entra na salinha, já dando beijo e tchau pra mamãe. Eles não tem algo específico direcionado para a inclusão, mas o meu filho é super bem recebido  e cuidado (e a Princesa também)

E, agora, quanto as crianças maiores? E os adultos com necessidades especiais? Como é que eles podem aproveitar mais?
E, fiquei com essa pergunta na cabeça e pensando em como oferecer o melhor para esses anjos que estão nos cercando. O que nossas igrejas podem oferecer de diferencial para recebermos com amor e mostrarmos amor a essa turma?
Será que um horário de culto específico seria legal?
Ou uma sala especial, com ensino voltado para essas necessidades?
E, eu gostaria de saber de vocês... Coloquem nos comentários. O que vocês acham que as igrejas poderiam fazer para receber melhor as pessoas com necessidades específicas?
Se você quiser compartilhar sua experiência, pode me enviar para:
Se você quiser, posso postar aqui no blog, ou você pode postar no seu blog, e nós estaremos compartilhando. Se quiser dar sugestões, ou se você trabalha com Educação Cristã e queira compartilhar sua experiência, fique à vontade!!!

Conto com a participação de vocês nesse post para construirmos um ambiente em que o Amor de Deus realmente resplandeça!!