terça-feira, 30 de outubro de 2012

A primeira declaração de Amor



Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; 
1 Coríntios 13:7-8
Toda relação entre duas pessoas evolui gradualmente. Assim como a minha relação com o meu filho. O gradual pode ser de uma forma natural, quando as coisas acontecem mediante o esperado, como pode ser sobrenatural, quando as coisas acontecem de uma forma que você não espera... só pode ser coisa de Deus.

Desde que descobrimos que o nosso filho estava no espectro autista, algumas coisas que esperávamos que acontecessem no curso natural, deixamos de esperar como algo natural, mas como milagres. Saberíamos que podia acontecer, guardávamos como uma esperança, um tesouro cultivado, um prêmio por termos um filho tão especial.

Dentre essas esperanças, guardadas dentro de uma caixinha de música no cantinho do coração, sonhávamos com o dia em que nosso filho nos diria que nos ama (claro, sabemos disso quando nos abraça, quando nos olha e quando nos manda beijos espontâneos – lembram do primeiro beijo? Ainda sinto o mesmo gostinho...), mas sabíamos que um dia ele falaria isso...

E, aconteceu. Quarta feira (24.10.12), eu levei um susto: apresentei um sangramento (medo: sangramento com 4 meses de gravidez? Nada demais, graças a Deus, só um fungo!). Passei o dia inteiro quietinha, meu pai o e minha mãe por conta do garotão. No fim do dia, fui colocá-lo para dormir. Depois da nossa oração, o Garotão  (3 anos 5 meses) para e fala: “Garotão ama... mamãe!”.

Tem como não chorar? Tem como não se emocionar? Foi a primeira... desde então, todos os dias eu ouço essa declaração... às vezes é espontânea, outras, vem depois que a mamãe fala milhares de vezes: “Mamãe ama... Garotão” E aí, ele responde: “Garotão ama... mamãe!” É a coisa mais deliciosa do mundo!!!

Desde esse dia ele já falou pro vovô e pra titia... E, esperamos que quando o papai chegar, ele fale também para o papai. O Garotão precisa que se mostre os gestos. Quando ele fala, ele aponta para si mesmo, aponta para o coração e depois aponta para o objeto de seu amor...

É, o amor verdadeiro... O amor perfeito...
O verdadeiro amor.